Menu Principal
Usuários Online

Epifania: Uma Estrela

 

07 de janeiro - Epitania do SenhorA festa da Epifania encerra o tempo do Natal, lembra a adoração de Jesus pelos Magos, a Epifânia é a Manifestação de Deus ao mundo inteiro. Esta liturgia mostra o sentido universal de Cristo, a manifestação de Jesus como "Luz" para todas as nações. Essa "Luz" brilhou no meio da trevas do mundo e iluminou os caminhos dos homens com uma proposta de salvação.

Is 60,1-6 anuncia a chegada da Luz salvadora do Senhor que alegrará Jerusalém e atrairá a ela povos de todo o mundo. Jesus é a Luz que vence as trevas do pecado e da opressão e dá ao mundo um rosto mais brilhante de vida e esperança. Hoje a Igreja é a comunidade que aderiu a Jesus e acolheu essa Luz. Em nossas comunidades brilha a luz libertadora de Jesus?

Ef 3,2-6 apresenta o projeto salvador de Deus, como uma realidade que vai atingir toda a humanidade juntando judeus e pagãos, numa só comunidade de irmãos, a comunidade de Jesus.

Mt 2,1-12 apresenta Jesus como a Luz, que atrai para si todos os povos.

Os Magos, representando todos os povos da terra, vão a Jerusalém, ao encontro de Jesus, o aceitam como "Salvação de Deus" e o adoram. A Salvação, rejeitada pelos habitantes de Jerusalém, torna-se agora uma oferta universal.

A narrativa, exclusiva de S. Mateus, tornou-se muito conhecida e popular. No entanto, não estamos diante de uma reportagem jornalística que faz a cobertura oficial de três chefes de estado a outro país. Estamos diante de uma Catequese sobre Jesus, destinada a apresentar Jesus como Salvador de todos os homens. – A Estrela, inventada por Mateus, não é um astro no céu, mas a pessoa de Jesus. Ele é a "Luz" anunciada pelos profetas, que ilumina todos os povos e nações. – Os Magos representam todos os homens que vão ao encontro de Jesus e se deixam guiar pela sua mensagem de paz e de amor. – Intenção de Mateus era apresentar Jesus como o Messias, o novo Moisés, o ungido de Deus, recusado pelos judeus e aceito pelos pagãos que formarão o novo Israel, o novo povo de Deus: a Igreja.

Duas atitudes diferentes vão se repetir ao longo de todo o Evangelho: – O Povo de Israel rejeita Jesus, enquanto os "magos" (pagãos) O adoram; – Herodes e Jerusalém "ficam perturbados" diante da notícia do nascimento do menino e planeiam a sua morte, enquanto os pagãos sentem uma grande alegria e reconhecem em Jesus o seu salvador.

* Mateus mostra que Jesus vai ser rejeitado pelo seu Povo; mas vai ser acolhido pelos pagãos, que formarão o novo Povo de Deus.

O Caminho seguido pelos Magos para encontrar Jesus é o caminho a ser seguido por todos nós, em nossa procura de Deus: – Estão atentos aos sinais (estrela); – percebem que Jesus é a Luz que traz a Salvação; – põem-se decididamente a caminho para o encontrar; – perguntam aos judeus, que conhecem as Escrituras, o que fazer; – encontram Jesus e o adoram como "Senhor".

Nesse relato, descobrimos também as etapas do nosso caminho: – Sensibilidade em distinguir os sinais de Deus; – Generosidade em aceitar: "Vimos e viemos!"

Com quem nos assemelhamos? – Com os Sacerdotes, que conheciam bem a Religião, mas se mostraram indiferentes aos sinais de Deus? – Com Herodes, que aparentemente se mostra interessado, mas na realidade é hostil ao Menino? – Com os Magos, que estão atentos aos acontecimentos e generosos em deixar tudo e se pôr ao seu encontro? Os Magos representam todos os povos não judeus, agora associados à História da Salvação.  Os magos aceitaram o convite e não perderam a esperança: nem mesmo na incompreensão dos contemporâneos nas dificuldades da longa caminhada; na ignorância e maldade de Herodes, na indiferença dos sacerdotes; nem estranharam o ambiente rústico do menino, procurado como rei dos judeus. – Se olharmos o mundo e os homens com os olhos da fé tudo será uma manifestação e presença de Deus; uma perene Epifania; – Os magos não se apresentam de mãos vazias… Oferecem o que tinham de melhor. O que podemos oferecer hoje ao menino de Belém? Certamente ele gostaria de ganhar um pouco do nosso tempo, um espaço em nosso coração, a partilha dos nossos dons. Sejamos generosos!…

 

 

dom antonio emidio vilar_diocese sjbv

 

 

 

 

 

 

 

 

Dom Antonio Emidio Vilar, SDB
Bispo Diocesano

 

Nossa página no Facebook