Menu Principal
Usuários Online

Um sinal na curva do rio

 

nossa sra aparecida_300 anosDizem que em curva de rio algumas coisas se encalham e por isso são encontradas mais facilmente; outros dizem que curva de rio guarda um mistério. Já ouvi muitas histórias de rios e de pescadores com suas particularidades, sagas incríveis e também muitos dramas e superações. Para quem tira o sustento da pesca, não encontrar nenhum peixe para contar a história pode ser sinônimo de fracasso, para não dizer tragédia.

Nas águas do rio Paraíba, o que poderia se tornar um grande desastre se mostrou prodígio da intercessão materna quando, há trezentos anos os pescadores encontraram uma imagem da Senhora da Conceição e aquela situação dramática se torna uma ocasião de concreta esperança, de fé perseverante e de comprovada solidariedade. A história que o Brasil e o mundo conhecem daquela milagrosa pesca mostra a todas as pessoas de boa vontade e que buscam a Deus de coração sincero que o amor sempre vence o mal. Naquelas redes de trezentos anos atrás, um corpo de imagem e depois a sua cabeça revelam um grande e misterioso amor de mãe por todos os seus filhos, principalmente os mais sofredores.

A imagem que “apareceu” ensina que a Virgem Maria é a mãe que “acode” os seus filhos que constantemente lhe pedem intercessão “agora e na hora da nossa morte”, que pedem o seu afeto e colo de mãe para enfrentar a dureza das estradas da vida nas quais sabemos por experiência que nossa mãe jamais nos abandona. Todos nós, todos os dias invocamos o auxílio da “nossa Senhora”, “nossa Mãe”, “nossa”! quantas vezes repetimos ao longo do dia estas expressões que nos remetem à Virgem Mae de nosso Deus e Senhor Jesus Cristo; até os não católicos repetem essa frase e todas as pessoas, até mesmo inconscientemente chamam a “mãe” nas horas de dificuldades. Os pescadores do rio Paraíba invocaram a sua proteção e sentiram sua intercessão materna.

A senhora que apareceu nas águas do Paraíba é Maria, a nossa mãe que nos ensina a confiança em Deus; é a mulher que encarna a solidariedade com os sofredores e se torna a padroeira, a protetora de nossa Nação indicando o temor a Deus como modo de enfrentar e vencer as adversidades de cada dia. É ela a mãe que nos educa na fé, é a mulher que não se aliena da realidade e nem foge da sua identidade criada com o homem à imagem e semelhança de Deus e a quem podemos recorrer em nossas dificuldades.

Maria, mãe de nosso Deus, cuja imagem foi encontrada nas águas do rio Paraíba é figura da mulher que vive a sua vocação à maternidade e, sendo a Mãe do nosso Redentor nos estimula a viver uma fé ativa, geradora de esperança, capaz de unir as pessoas em torno do Evangelho para reconstruir a sociedade brasileira que está em ruínas por tanta corrupção e falta de modos por parte da classe política em geral e pela esperteza dos que desejam o poder a qualquer custo. Maria de Aparecida é nosso socorro, auxílio nesta vida e certeza da vida eterna; por isso muitíssimos brasileiros acorrem ao Santuário Nacional para celebrar a fé em Deus e o carinho de nossa Mãe. Quantos relatos de milagres acontecidos graças à intercessão de nossa Senhora, quanto carinho materno podemos comprovar.

A imagem de nossa Senhora nos lembra o rosto amável de toda mãe que se preocupa, zela, cuida ampara e intercede em favor de seus filhos, de todos eles, inclusive os mais distantes. E mãe sempre espera pelos filhos, não descansa enquanto não damos notícia. Já cantava Adoniran Barbosa:- “minha Mãe não dorme enquanto eu não chegar…” E o santuário como casa da mãe, é nossa casa onde a Mãe sempre nos espera.

Alegremos com a celebração deste grande sinal na curva do rio Paraíba, da presença e do carinho de nossa mãe que protege e guia o povo brasileiro para “fazer tudo o que Jesus nos diz”! (cf. Jo 2,1-11).

 

 

pe.joao_paulo_ferreira_ielo

 

 

 

 

 

Pe. João Paulo Ferreira Ielo

 

 

Nossa página no Facebook