28º Domingo do Tempo Comum: Algo mais

Para muitos cristãos basta a religião do mínimo: confessar uma vez por ano, comungar pela páscoa, a missa dominical. Hoje, a Liturgia nos propõe algo mais, buscar o melhor.

Sb 7,7-11 fala do jovem Salomão, coroado Rei, vai ao templo oferecer um sacrifício e Deus lhe diz: Pede-me o que queres e eu te darei. Salomão afirma: Sou um adolescente. Dai-me um coração sábio, capaz de julgar o vosso povo e discernir entre o Bem e o Mal. Isto agradou a Deus: Já que não pediste nem vida longa, nem riquezas, nem a morte de teus inimigos, mas sim inteligência para governar meu povo, vou te dar o que pedes e o que não pediste. Salomão escolhe a Sabedoria como Bem maior, e não poder e riquezas.

Hb 4,12-13 convida-nos a acolher a Palavra de Deus: Ela é viva, eficaz e mais penetrante de que espada de dois gumes. Ela ajuda a discernir o bem e o mal e a fazer a escolha certa.

Mc 10,17-30 narra a escolha do jovem rico. Jesus está a caminho e ensina aos discípulos as exigências do Reino, as condições para viver na comunidade messiânica. Um jovem se põe de joelhos diante de Jesus e pergunta: Que devo fazer para conseguir a vida eterna? Jesus lhe propõe os Mandamentos. O Jovem diz que já observa tudo isso e quer algo mais. Então Jesus o olha com amor, porque de fato praticava e queria mais. Convida-o a integrar a comunidade do Reino, e lhe diz como: – Desfazer-se dos bens terrenos; – Partilhar com os irmãos mais pobres. – Seguir Jesus no seu caminho de amor e entrega. Era o algo mais que lhe faltava para passar da vivência tradicional da religião, para uma vivência mais generosa. Mas o Jovem prefere a segurança da riqueza e recusa o convite de Jesus. Não tem coragem de dar um passo a mais e retira-se triste.

Jesus comenta: Como é difícil a um rico entrar no Reino de Deus! A reação do Jovem rico evidencia um fato: A riqueza pode ser um obstáculo no caminho do Reino, quando ela se torna a nossa segurança e seguramos só para nós. O caminho do Reino dever ser um caminho a ser percorrido no amor, na solidariedade, no serviço, na partilha, na verdade,    no dom da vida aos irmãos. Os apóstolos não perdem a oportunidade: E nós que deixamos tudo? Jesus garante: Vocês terão recompensa em bens, perseguições e a vida eterna.

Quem é esse Jovem do Evangelho? Posso ser eu ou pode ser você… são as pessoas que observam os Mandamentos e até “desejariam fazer mais”. Mas quando Deus pede algo mais… elas se retiram tristes, porque estão apegadas a muitas coisas, que amarram o seu coração e impedem de dar esse passo a mais. Estão satisfeitas apenas com o “mínimo” necessário. E nós nos satisfazemos como o mínimo ou procuramos oferecer “algo mais”?

Cristo nos dirige hoje este convite: Vai e vende tudo, dá aos pobres e depois me segue. Todos temos algo para vender. Temos riquezas de que nos desfazer para esse algo mais e para não ter o coração materializado e insensível às coisas de Deus. Cristo nos olha com amor e vê a nossa generosidade ou nos afastamos tristes porque não damos esse algo mais?

Os pobres esperam nossa oferta, pobres da Palavra de Deus, de conforto, de educação…

No mês de outubro, mês das missões, a Igreja nos fala da responsabilidade, a missão de distribuir as riquezas espirituais e materiais aos que vivem na miséria religiosa e social.

Cristo continua a convidar: Vai e vende tudo o que tens, dá aos pobres e depois vem e segue-me. Ele continua nos olhando com amor e conta com cada um de nós!

 

Dom Antonio Emidio Vilar, sdb
Bispo Diocesano