30º Domingo do Tempo Comum: Quero ver de novo

Nos momentos de trevas, a Palavra de Deus é Luz que ilumina nosso caminho na fé.

Jr 31,7-9 anuncia um sinal de luz para o povo sofrido, que vivia nas trevas do exílio: Coxos e cegos, mulheres grávidas e que deram à luz retornam à pátria, guiados por Deus, que cuida deles com cuidados de pai. É um apelo à esperança e confiança em Deus.

Hb 5,1-6 destaca que Jesus é o Sumo Sacerdote, mediador entre Deus e a Humanidade.

Em Mc 10,46-52, Jesus dá a um cego a luz da visão e da fé. O núcleo central do evangelho de Marcos, que refletimos nesse ano, é uma caminhada de Jesus para Jerusalém, onde será morto e ressuscitará. Neste texto, temos o último Milagre e última Catequese de Jesus, concluindo sua caminhada para Jerusalém. Cegos, os apóstolos precisavam de Luz: aceitavam Jesus como Messias, mas não aceitavam a Cruz.

Perto de Jericó, um cego, sentado à beira da estrada, soube que Jesus passava e gritou por socorro: Filho de Davi, tem piedade de mim. Cristo parou e chamou-o. O cego jogou o manto e as moedas, e deu um salto ao encontro de Jesus que perguntou: O que você está querendo? Mestre, eu quero ver de novo, respondeu. Jesus afirmou: Vai, a tua fé te salvou! E o cego, duplamente iluminado por Cristo, tornou-se seguidor de Jesus rumo a Jerusalém.

O fato, mais do que uma crônica é uma catequese batismal. Jesus se manifesta no caminho do cego. O cego não vê, mas percebe a presença do Senhor e acolhe o convite. Dá-se o diálogo. O cego recebe a visão da fé e segue Jesus no caminho até o Calvário.

Quem era o cego Bartimeu? Um cego, à beira do caminho, marginalizado como tantos. O encontro se dá ao longo do caminho. Caminho é o cristianismo. O cego não estava no caminho, mas à margem da religião e da vida. No fim, Bartimeu seguiu Jesus no caminho.

A Cura do cego Bartimeu representa o caminho da fé dos que querem ver e seguir Jesus.

O que faz o cego? Está atento à passagem de Cristo. Toma consciência de sua situação e decide sair dela. Supera o medo, a vergonha, começa a gritar, pede ajuda. Não desanima diante das contrariedades, continua procurando a Luz, mesmo quando o povo manda calar. Quando Jesus o chama, dá um pulo, joga o manto para longe e corre ao encontro daquele que podia restituir a vista. Saiu da margem do caminho e se pôs no caminho com o Mestre.

Joga fora o Manto em que recolhia as esmolas e que era sua riqueza, casa e abrigo. Que obstáculos impedem as pessoas de enxergar e se aproximar de Cristo e da Igreja? Nossas discórdias, falta de unidade, de acolhida e um chamado carinhoso, linguagem complicada?

Dar um Salto ao encontro de Jesus para um cego que não vê é um gesto de quem entendeu que Cristo podia curá-lo. Por isso, ele dá um pulo.

Que tipos de pessoas o cego encontra? Uns atrapalham e mandam que se cale. Outros ajudam, animam: Coragem, ele te chama. Jesus escuta o grito sofrido e confiante do cego, pára e liberta: da margem, Jesus o põe no centro. Dá a luz da visão e a luz da .

E Nós o que podemos fazer? 1) Descobrir as nossas cegueiras: Cegos são os que não vêem no coração as coisas importantes, não reconhecem a presença e o amor de Deus e vivem na escuridão. Quais são nossas cegueiras para que Cristo nos cure e nos dê a Luz?

2) Perseverar na Oração como Bartimeu. Somos pacientes e perseverantes na oração?

3) Seguir Jesus no Caminho: Na Igreja primitiva, o Caminho é o cristianismo. Os seguidores do Caminho eram cristãos. O cego curado seguiu Jesus no Caminho, tornou-se Discípulo que vê e decide caminhar. Não basta a euforia do primeiro encontro.

Façamos nossa, a oração do cego: Mestre, eu quero ver de novo!


Artigos Recentes