34º Domingo do Tempo Comum: Rei do Universo

O Ano Litúrgico termina nesta Festa de Cristo Rei do universo, dia do leigo, chamado a trabalhar na construção de seu Reino. Hoje se encerra o Ano do Laicato no Brasil.

Porque esta Festa, se no ano todo devemos viver as mensagens de Cristo e do seu Reino, se entre as nações o reino não é mais um regime político em voga, se os Reis são os que tem poder, glória e bens materiais? A Igreja, com esta festa, quer mostrar o lugar de Cristo na Humanidade e no Universo. As Leituras bíblicas nos falam de sua Realeza.

Dn. 7,13s anuncia um Filho do Homem vindo do céu para instaurar um Reino sem fim. Os judeus, dominados pelos gregos, tinham a cultura e religião grega à força, com Antíoco IV. Daniel, em linguagem apocalíptica, anima as comunidades à resistência. Em visão noturna, Daniel, contempla 4 animais (reinos opressores), saindo do mar (símbolo do mal) e vê no céu um Ancião (Deus) que confia ao Filho do homem o poder, a glória e o Reino.

A profecia se realiza com a vinda de Jesus. Seu Reino, apesar de perseguições, não terá fim. Certo é que o Reino de Cristo ainda não é realidade plena, mas, já está presente no mundo, como semente que cresce, fermento que leveda a massa. Cabe a nós, discípulos de Jesus, fazer com que esse Reino seja uma realidade bem viva e atuante em nosso mundo.

Ap 1, 5-8 lembra que Cristo é o Príncipe dos reis da terra que virá cheio de poder, de glória e majestade para instaurar um reino definitivo de vida, de paz e de felicidade.

Em Jo 18, 33b-37 Jesus confirma sua Realeza. Em sua vida pública, Jesus cuidou para não dar interpretação política à sua missão. As vezes que O queriam fazer rei, ele fugia. Próximo da sua Paixão, sozinho, abandonado, sem exército para defendê-lo, vai ao tribunal de Pilatos que lhe pergunta: Tu és o Rei dos Judeus? Jesus confirma a sua Realeza e define o sentido do seu Reinado: Eu sou Rei. Mas o meu Reino não é desse mundo. Para isso nasci e para isso vim ao mundo. Para dar testemunho da Verdade. E todo aquele que é da Verdade, ouve a minha voz.

A Realeza de Cristo é outra: é Rei que vem para servir e salvar; um soberano que aceita uma coroa de espinhos; um Rei cujo trono é uma Cruz, que se tornou símbolo de vitória. Esse Reino cresce onde existe atitude de serviço, doação generosa em favor dos irmãos, onde cresce o respeito pelos outros, o diálogo, o perdão, a solidariedade, a justiça, o amor.

O Prefácio aponta o tipo de Reino que Jesus veio trazer: Reino da verdade e da vida, Reino da santidade e da graça, Reino da justiça, do amor e da paz. – É um Reino que não é desse mundo, mas que se importa e se solidariza com as pessoas. – Ao contrário, o reino desse mundo é de quem tem dinheiro, poder, glória, bens materiais, coisas que passam.

Cristo continua a vir a nós como nosso Rei que ama e serve as pessoas, não um rei de poder e força, de glória e riquezas, mas um Rei que busca a vida e salvação de todos.

Jesus nos convida a fazer parte desse Reino e a trabalhar para que esse Reino aconteça para todos. Faz parte desse Reino quem é da Verdade e escuta a sua Voz. Cabe a nós ser mensageiros desse Reino, na família, na escola, no trabalho, na rua, na sociedade…

No Pai Nosso, Jesus nos convida a rezar: Venha a nós o vosso Reino. Nós nos reunimos em oração porque somos cidadãos do Reino. Rezemos a oração de Cristo ao Pai: Venha a nós o vosso Reino. Rezemos para que o Reino venha ao nosso coração e ao coração de todos, Reino de Verdade e de Vida; Reino de Santidade e de Graça; Reino de Justiça, de Amor e de Paz. Que assim seja!

 

Dom Antonio Emidio Vilar, sdb
Bispo Diocesano