IVº Domingo do Advento (Ciclo C): Uma Mulher

O Advento nos mostra pessoas que preparam o povo para o Salvador: Jeremias, Baruc, Sofonias, Miquéias, João Batista, e, hoje, a figura privilegiada da Mulher que trouxe o Salvador. Quem O aguarda não esquece sua Mãe: no clima do Natal da Liturgia, Deus escolhe instrumentos humildes para realizar suas obras.

Miquéias 5,1-4ª: o profeta fala do ambiente humilde onde nasce o Messias. Israel, em guerra e exílio, espera o Messias para unir os povos na paz. Ele não nasce em Jerusalém, cidade grande e importante, mas em Belém, pequeno povoado desconhecido. Ele não sai de família rica e poderosa, mas de família pobre e humilde, um pastor. Deus grande, poderoso vem à pequena Belém, à pequena Maria: escolhe o caminho da pequenez, humildade, serviço.

Hb.10,5-10 diz que Cristo se ofereceu ao Pai para cumprir a sua vontade: o valor da nossa existência, orações, trabalhos está em cumprir esta vontade.

Lc.1,39-45 narra o encontro de duas Mães, que se alegram com a realização das Promessas.

Após a Anunciação, com o seu Sim a Deus, Maria se põe a caminho e vai às pressas à casa de Isabel. Maria nos ensina seu jeito de servir, atentos às necessidades dos irmãos, ir ao seu encontro, partilhar com a nossa amizade e ser solidário com suas necessidades.

Logo que entrou, saudou Isabel: Shallon que sintetizava o conjunto dos bens prometidos por Deus ao Povo. Maria era mensageira dessa Paz. – Isabel, iluminada pelo Espírito Santo, compreendeu os acontecimentos e exclamou com alegria: Bendita és tu entre as mulheres!

Estas palavras foram dirigidas a Judite e Jael, duas mulheres fracas e desconhecidas, de quem Deus se serviu para libertar seu povo. (Jt 13,18; Jz 5,24) Assim, Deus escolhe Maria como instrumento para concretizar a salvação dos homens.

Donde me vem a honra de que a mãe do meu Senhor me visite? São palavras de Davi ao receber a Arca da Aliança em Jerusalém. Maria, nova Arca da aliança, traz o Senhor ao povo. Davi exultou com a presença da arca da aliança. Isabel exultou de alegria pela visita.

Visitar alguém é ocasião de levarmos Paz! Receber visita nos faz acolher Deus que vem!

O menino saltou de alegria no seio da mãe. A presença de Jesus traz alegria nos que esperam a realização das promessas de Deus e que vêem na chegada de Jesus a realização das promessas de um mundo de justiça, amor, paz e felicidade para todos.

Bem aventurada és tu porque acreditaste! É a primeira bem-aventurança do Evangelho. Maria é bem aventurada porque confiou na Palavra de Deus e aceitou as conseqüências de seu Sim: aparecer grávida para José e o público, sem poder explicar o fato e ser acreditada.

Daí a sua alegria em casa de Isabel, ao ver-se compreendida por alguém. Nem sempre é fácil acreditar nas promessas do Senhor. Maria nos ensina que vale a pena confiar.

Maria responde: A minha alma glorifica o Senhor! Dá ação de graças, porque Deus protege e salva os humildes, mostra esperança e confiança, porque Deus cuida dos pobres.

Três meses: permanece o tempo necessário para servir, sem perder tempo e fazer perder tempo.

Maria nos ensina três coisas: 1. Levar Jesus no coração: leva a Isabel o que tinha de mais precioso: Jesus. Tinha-o em seu seio e o sentia crescer cada dia. Preparar-se para o Natal é fazer nascer Jesus no coração e manifestá-lo com o amor e a alegria. 2. A alegria de encontrar os amigos: elas sentem grande alegria. Jesus em nós, nos dá alegria ao nos encontrar com os amigos. 3. A Caridade, primeiro: Maria foi às pressas a Isabel para se servir. Prepara o Natal nos leva a fazer com alegria pequenos serviços para as pessoas com quem vivemos.

 

Dom Antonio Emidio Vilar, sdb
Bispo Diocesano


Artigos Recentes