Epifania (Ciclo C): Vimos e viemos…

A Epifania é a visita dos Magos ao Menino de Belém. Epifania é palavra grega, e significa Manifestação. Para os cristãos, é uma manifestação extraordinária de Deus, pela qual ele se revela em fatos da história da salvação. No Antigo Testamento há muitas epifanias, preparação da Epifania definitiva, a festa hoje, manifestação de Jesus, Luz que atrai a si todos os povos da terra. Essa Luz encarnou na história, a fim de iluminar os caminhos dos homens com a Salvação.

Is 60,1-6 anuncia a chegada da Luz salvadora de Javé que alegrará Jerusalém e atrairá à cidade de Deus povos de todo o mundo.

Ef 5,2-3.5-6 afirma que a presença salvadora de Deus no meio do povo não será só para Jerusalém, mas todos os povos. Paulo fala do Mistério, projeto salvador de Deus, definido desde a eternidade, escondido nos séculos, revelado e concretizado em Jesus, comunicado aos Apóstolos e dado a conhecer ao mundo pela Igreja.

Mt 2,1-12 a realização as promessas: os Magos, atentos aos sinais da chegada do Messias, vão ao encontro Jesus, aceitam-no como Salvação de Deus.

Nesta Catequese sobre Jesus, Salvador, Belém é o lugar onde deveria nascer o Messias, descendente de Davi; os Magos representam os homens do mundo inteiro, que caminham para Jerusalém com suas riquezas para encontrar a Luz salvadora de Deus, que brilha sobre a cidade; a Estrela, mais que um astro no céu, é Jesus, Luz que ilumina todos os homens.

Vejamos as atitudes dos personagens. Os Magos: Vimos a sua estrela no Oriente, e viemos adorá-lo. Estes homens dos sinais vêem na estrela o sinal da Libertação e deixam tudo! Não desistem no cansaço da longa viagem, não desanimam pelo desaparecimento da estrela, nem com a indiferença dos habitantes de Jerusalém: eles perseveram até o fim e encontram o que procuram. Não chegam de mãos vazias! Doam o que têm de melhor. Representam todo o mundo que busca Cristo e se prostra diante dele. Esta é a imagem da Igreja, família de irmãos, composta por gente de muitas cores e raças, que aderem a Jesus, o Senhor.

Os Doutores da Lei: Souberam indicar o caminho aos magos, mas não foram a Belém.

Herodes: Ganancioso, tem poder nas mãos, mas a criança indefesa amedronta seu poder.

Duas Atitudes se opõem: O povo de Israel rejeita Jesus, mas os magos do oriente (pagãos) O adoram; Herodes e Jerusalém ficam perturbados e planejam sua morte, mas os pagãos sentem grande alegria e O reconhecem como Senhor. Jesus é rejeitado pelo seu povo, mas é acolhido pelos pagãos que farão parte do novo Povo de Deus.

Diante de Jesus e destas atitudes, qual é a nossa atitude? A Lição dos Magos é um exemplo:

O caminho dos magos é o caminho dos pagãos que encontram Jesus: estão atentos aos sinais (a estrela), percebem que Jesus traz a salvação; põem-se a caminho para O encontrar; perguntam o que fazer, aos judeus, que conhecem as Escrituras; encontram Jesus e O adoram.

– Os Magos nos ensinam a sermos peregrinos na fé, atentos aos sinais e prontos a segui-los com generosidade; perseverantes, mesmo nos momentos difíceis, quando a estrela parece desaparecer, ou o próprio Deus parece se esquecer de nós; fiéis, apesar da maldade dos Herodes, ou mesmo dos católicos que encontramos no caminho; generosos em oferecer o que de melhor temos.

Enfim, Deus se manifesta a quem o procura de coração sincero.

 

Dom Antonio Emidio Vilar, sdb
Bispo Diocesano