IV Domingo do Tempo Comum: O Fracasso

No Domingo passado vimos a importância da Palavra de Deus na vida do Povo. Os profetas são as pessoas de quem Deus se serve para proclamar sua Palavra. Hoje veremos dois deles profetas que enfrentaram a rejeição e o desprezo por serem fiéis à sua Missão.

Em Jr 1,4s.17-19, Deus chama Jeremias a ser Profeta das Nações. Ele tentou recusar: Eu não sei falar, sou apenas uma criança. Deus insiste: Antes de te formar no ventre materno, eu te conheci; antes de saíres do seio de tua mãe, eu te consagrei e te fiz profeta das nações. Não tenhas medo, não conseguirão te vencer, estarei contigo para te livrar. Deus escolhe Jeremias para profeta e ele se põe a serviço da Palavra de Deus. Sua fidelidade provocou sofrimento e um aparente fracasso. É o que ele revela em suas lamentações. Deus nunca o abandonou.

Em 1Cor 12,31-13,13, no Hino do Amor, Paulo põe a Caridade como profecia permanente. Só o amor dá sentido à vida e à experiência cristã. Sem amor até as melhores coisas não tem sentido. O Profeta sabe guiar-se pelo Amor e nunca pelo próprio interesse. Só é verdadeiro profeta quem tem profunda experiência do Amor de Deus.

Lc 4,21-30: Em Nazaré o Profeta Jesus é rejeitado pelos conterrâneos e até pelos próprios parentes. Nenhum profeta é bem recebido na sua terra. E por que é rejeitado? Porque o conhecem como o Filho de José. Esse conhecer superficial não os levou a aderir a Jesus. Conhecer Jesus é também acolhê-lo e viver com alegria e entusiasmo a sua mensagem.

Seus concidadãos dizem: ‘Faz também aqui o que fizestes em Cafarnaum!’ Ele não faz milagres em sua cidade porque o que pedem é espetáculo ou solução mágica para problemas pessoais. Jesus se apresenta não como Deus dos milagres, mas como Salvação pela fé. A incredulidade deles faz Jesus lembrar-lhes Elias e Eliseu cujos prodígios entre estrangeiros foi devido à sua fé. A Reação é rápida e violenta: rejeitam Jesus e tentam matá-lo, jogando-o num precipício. Jesus, porém, passa pelo meio deles e continua o seu caminho.

Quem são os Profetas? A palavra profeta está em moda. Na Igreja, ou na esfera política, são as pessoas que se destacam por sua vida e mensagem. O verdadeiro profeta é consciência crítica do povo, não em nome de um sistema ou ideologia, mas em nome da Palavra de Deus. E por ser fiel a Deus e ao Povo, o Profeta não é aplaudido e elogiado pelas multidões.

O Caminho do Profeta é de incompreensão, sofrimento, solidão e risco. É o que Jeremias revela nas Lamentações. Foi o que aconteceu com Jesus na própria terra. Mas é também um caminho de paz e esperança, porque conta com a graça divina que o previne e o acompanha em tudo.

Quem são profetas, hoje? Somos nós, pois, pelo Batismo, fomos ungidos como profetas à imagem de Cristo. O profeta vive atento ao sonho de Deus e à realidade dos homens, e intervém, em nome de Deus, para denunciar, para avisar e para corrigir.

Nós somos a boca de Deus que dirige sua Palavra aos homens. Ele nos unge e nos guia para levar adiante o seu projeto, mesmo diante de situações e atitudes contrárias. As críticas, a solidão e o abandono, não podem nos impedir de cumprir a missão que Deus nos confiou.

A nós cabe acolher os profetas de hoje, não como os habitantes de Nazaré.

Renovemos nossa fé, não apenas em Deus, mas também nas pessoas que estão conosco. Assim, teremos a certeza de que também os santos de casa acabarão fazendo seus milagres.


Dom Antonio Emidio Vilar, sdb

Bispo Diocesano