Valei-nos, São José! Celebrado hoje 19 de Março

Dia 19 de março, celebra-se a festa litúrgica de São José, esposo da Virgem Maria. Pouco, ou quase nada sabe-se, de São José, além de que era um homem justo e piedoso, carpinteiro, esposo da Virgem Maria e pai putativo de Jesus! É isto que nos revelam as Sagradas Escrituras! Outras coisas que sabemos a seu respeito, chegam a nós através dos chamados evangelhos apócrifos, que afirmam que José era de Belém, era da estirpe de Davi, e juntamente com outros homens da mesma linhagem, “disputou” o casamento com a Virgem Maria.

Por indicação divina, estes homens castos conduziram até ao altar os seus cajados, de entre os quais Deus faria florir o do eleito, e José foi o escolhido (por isso a imagem de São Jose traz uma vara florida), inicialmente hesitante devido a diferença de idade, mas foi admoestado por Zacarias, sacerdote do Templo de Jerusalém, a submeter-se à vontade divina, acolhendo a Virgem em sua casa.
Chegam ainda até nós, por estas mesmas fontes, que José morrera com 111 anos, acometido de uma doença, depois de ir ao Templo, para adorar a Deus, vindo a falecer tendo a Jesus como consolo e quem ungira seu corpo para a sepultura e pronunciado sobre ele uma bênção, e sua alma foi levada ao Paraiso pelos Arcanjos Miguel e Gabriel. Por este motivo, São José foi decretado pelo Papa Pio IX, em 1847, como o padroeiro da boa morte, pois teve o privilégio, ao morrer, de ter ao seu lado Jesus e a Virgem Maria.
Para falarmos de São José com o respeito e o merecimento que tem, precisamos considerar o que nos relatam seguramente as Sagradas Escrituras, a saber, que José foi esposo da Virgem Maria, e antes mesmo de coabitarem juntos, Maria ficou grávida do Espírito Santo. Penso que, assim como no desígnio de Deus para enviar seu Filho ao mundo, quis preparar-lhe uma mãe digna, do mesmo modo, preparou José para acolher e cuidar na terra da Virgem Maria, pois para alguém tão especial como Maria, Deus prepara alguém especial como José!
José era mais que um cumpridor da Lei, era um homem justo, porque ao saber que Maria estava grávida de um filho que não era seu, poderia entregá-la, segundo a Lei, a fim de ser apedrejada, mas sendo justo, resolve abandoná-la em segredo, mas Deus em sonho lhe revela o seu desígnio a José. José não foi um simples sonhador, mas alguém que pôs em prática a vontade de Deus, mesmo quando esta está acima de sua capacidade de entender, e aceita Maria como esposa e a criança como seu Filho. Tendo aceito a Virgem Maria como sua esposa, cuidou amorosamente dela pois entendeu que antes de ser dele era inteiramente de Deus. Como Moisés diante a sarça, que tirou as sandálias, pois sabia que a terra era santa, assim agiu José em relação a Virgem Maria. Aquela menina não era simplesmente Maria de Nazaré, era Maria de Deus! Como pai putativo de Jesus, foi enriquecido ainda mais os dons que antes já tinha em sua vida! Ser chamado pai do Filho de Deus Pai, é-lhe então o mérito dos méritos. É por este motivo que São José é patrono celeste e cuidador de toda Igreja, uma vez que ela é o Corpo de Cristo. Juntos, José e Maria, formaram com Jesus a Família de Nazaré. José ensinou a Jesus a Torá e uma profissão; com eles, Jesus cresceu em sabedoria e graça diante de Deus e dos homens. O que de mais belo em tudo isso podemos encontrar em São José é seu silêncio. Um homem profundamente meditativo, como Maria, que guardava tudo no seu coração, e certamente, antecipando o que ela diria aos empregados da festa de casamento em Caná da Galiléia, José realmente fez tudo o que Deus pediu.
Por estas e por tantas outras virtudes, o Papa Bento XVI preparou a introdução do nome de São José na Oração Eucarística, e a partir do caminho feito na Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos, em virtude das faculdades concedidas pelo Sumo Pontífice, o Papa Francisco, sancionou a partir de maio de 2013.
Finalmente abordo dois motivos para termos uma bela e fiel devoção a São José: primeiro porque grandes santos lhe tinham devoção, como a doutora da oração e mística Santa Teresa D’Avila, que o tinha como protetor e chega a dizer que o toma por advogado e se encomenda muito a ele, recebendo mais do que ousa pedir, e não se lembra de ter-lhe suplicado algo que ele não tenha feito. E conclui dizendo que, se a outros santos o Senhor parece ter concedido a graça de socorrer numa dada necessidade, a São José, Deus permitiu socorrer em todas. O outro motivo é a devoção do nosso querido Papa Francisco a São José, dormindo, que graças a ele essa imagem tornou-se mundialmente conhecida. Diz-nos o Papa que gosta muito de São José porque é um homem forte e de silêncio, e revela que no seu escritório, tem uma imagem de São José dormindo. E explicou: “Quando eu tenho um problema ou uma dificuldade, eu o escrevo em um papelzinho e o coloco embaixo de São José, para que ele sonhe sobre isso. Isso significa: para que ele reze por este problema”.
Por esse motivo, nesta ocasião de sua festa, que toda Igreja colocada aos seus cuidados, diga: valei-nos, São José!

Padre Everaldo Donizete Ribeiro
Pároco da Paróquia Nossa Senhora da Luz – Mogi Guaçu, SP