Vº Domingo da Quaresma: A primeira pedra

A Palavra de Deus nos diz que cristão não atira pedras, mas constrói fraternidade. Não se vence o mal e o pecado com castigo, mas com amor.
Is 43,16-21 fala da libertação do exílio, o retorno a Israel, e o novo Êxodo para a Terra Prometida. Na Quaresma Deus nos chama a seguir este caminho de vida nova, longe da escravidão e prisão do pecado, rumo à liberdade e à vida.
Fl 3,8-14 afirma que a única coisa que lhe interessa é conhecer Jesus Cristo. O resto é Lixo que impede viver a vida nova em Cristo.
Em Jo 8,1-11 vemos Jesus e a mulher pecadora. No Filho Pródigo, Jesus mostra o amor misericordioso do Pai. Aqui, Ele age, dá exemplo e ensina no templo! Os escribas O fiscalizam e buscam motivos para acusá-lo. Para eles, a mulher pega em adultério, devia ser apedrejada, segundo a lei de Moisés. Assim, eles deixam Jesus em situação embaraçosa: Mestre, que vamos fazer com essa mulher, perdoá-la ou apedrejá-la, como manda a nossa lei?
Os escribas e fariseus testam a fidelidade de Jesus às leis. Jesus revela a atitude de Deus diante do pecado e do pecador. Jesus, que não aceita uma lei que gera morte em nome de Deus, não responde e fica rabiscando no chão. Com a insistência deles, Jesus se levanta e os desafia: Quem não tiver pecado, atire a primeira pedra! Ele se inclina de novo e continua a escrever no chão. Será que escreve seus pecados? Certo é que eles saem envergonhados, um a um, começando pelos mais velhos. No pátio do templo só ficam os discípulos, a mulher e Jesus.
Então, Jesus pergunta: Mulher, ninguém te condenou? Nem eu te condeno! Vai e não peques mais! Jesus a convida a seguir um caminho novo de liberdade e paz. Jesus não aprova o pecado, mas não condena a pecadora. O mais importante é a conversão das pessoas, não a condenação. E ainda hoje, na Confissão, Deus continua nos dizendo: Teus pecados estão perdoados! Vai em paz e não peques mais!
Jesus nos mostra a imagem de Deus misericordioso mais do que justo. Não quer a morte do pecador, mas sua vida. A força de Deus não está no castigo, mas no Amor. São Francisco de Assis testemunhou esse amor em sua oração:
“Senhor, fazei de mim um instrumento de sua Paz!
Onde houver ódio, que eu leve o Amor. Onde houver ofensa, que eu leve o perdão. Onde houver discórdia, que eu leve a união”.
O Amor transforma o mal em bem. Também o doutor da bondade, São Francisco de Sales dizia assim: “Uma gota de mel atrai mais abelhas do que um barril de vinagre”.
Sem amor, mata-se em nome de Deus. Mas, como somos todos pecadores, não temos o direito de condenar ninguém, mas acolher a todos como irmãos.
Quando os acusadores ouvem as palavras de Jesus, largam as pedras e vão embora.
Ao ouvir a Palavra, é preciso soltar as pedras, segurar nossa língua, não condenar, nem discriminar quem está caído à beira do caminho, não ser juízes, mas salvadores.

Dom Antonio Emidio Vilar, sdb
Bispo Diocesano