IV Domingo da Páscoa: O Bom Pastor

O Bom Pastor vai à frente do rebanho para indicar o caminho, o conduz às pastagens, e às nascentes de água. Essa imagem era muito familiar. Muitos líderes foram pastores: Jacó, Moisés, Davi. Israel é visto como rebanho do qual Deus é Pastor. Ezequiel diz que o próprio Deus vai conduzir seu povo. Ele porá à sua frente um Bom Pastor que o livrará da escravidão e o conduzirá à vida. Essa promessa se cumpre em Jesus.

Em At 13,14.43-52, na 1ª viagem apostólica de Pedro e Barnabé, há duas reações diversas à proposta cristã: – Os judeus, ovelhas fechadas, indiferentes às propostas cristãs querem o monopólio de Deus e da Verdade; – Os pagãos reagem com alegria e entusiasmo: são ovelhas atentas à voz do Pastor e dispostas a segui-lo. Uns são praticantes acomodados que tem medo da novidade de Deus, e os afastados na caminhada da fé, que se abrem à novidade de Deus.

Em Ap 7,9.14b-17, Cristo, o Cordeiro pascal, vencedor da morte, é o Pastor que conduz o seu povo às fontes de água viva.

Em Jo 10,27-30, Cristo Bom Pastor tem a Missão de conduzir todos a pastagens verdejantes e fontes cristalinas de onde brota vida em plenitude.

Na Parábola há duas atitudes: 1) A Atitude do Pastor, Cristo, que dá a vida pelas ovelhas, e que as conhece: Eu conheço as minhas ovelhas, que cuida delas: Jamais se perderão, ninguém vai arrancá-las de minhas mãos.

Muitos ficam perturbados diante das falhas de representantes da Igreja, das crises e confusões, que percebem nas comunidades. A Igreja não está confiada apenas nas mãos de pastores humanos. Estes são só instrumentos, necessários e imperfeitos,   do único pastor que guia a Igreja e que nos garante: “Eu mesmo dou a vida para elas, e ninguém vai arrancá-las de minhas mãos.”

Quem são os verdadeiros Pastores? Muitos se dizem Pastores, prometendo vida, conforto, felicidade. Em quem confiar? Quem são os verdadeiros Pastores?

Cristo: é o único Pastor da Igreja na qual os pastores são instrumentos, pessoas que presidem as comunidades: bispos, padres, ministros, apesar de suas imperfeições e limites, pessoas que ensinam a mensagem de Cristo: pais e catequistas que tudo suportam com paciência e amor, e educam para o perdão, a reconciliação, a partilha.

O Bom Pastor abre caminho, conhece suas ovelhas, é providente, vigia as ovelhas e as cura, deseja salvar o rebanho, é missionário e coração: o Bom Pastor dá a vida por suas ovelhas.

As Ovelhas escutam, aceitam, obedecem, escolhem e seguem a vida que o Bom Pastor propõe; elas O conhecem (mente, coração, vontade), e se deixam transformar por Ele. As Ovelhas, mais que batizados e participantes da paróquia, são todos os que escutam a sua voz e O seguem. Pode ser discípulo também quem, mesmo não conhecendo Cristo, se sacrifica pelo pobre, pratica a justiça, a fraternidade, a partilha dos bens, a hospitalidade, a fidelidade, a sinceridade, a não violência, o perdão aos inimigos, o compromisso com a paz.

Este IV Domingo da Páscoa é o 56º Dia Mundial de Oração pelas Vocações. O tema da Mensagem do Papa é ‘A coragem de arriscar pela promessa de Deus’. Não há alegria maior do que arriscar a vida pelo Senhor, diz o Papa. Aos jovens, ele diz: não sejais surdos ao chamado do Senhor! … Confiai n’Ele. Não tenham medo diante dos altos cumes que o Senhor nos propõe. Lembrai-vos que o Senhor, a quem deixa as redes e o barco para O seguir, promete a alegria duma vida nova, que enche o coração e anima o caminho.

Dom Antonio Emidio Vilar, sdb
Bispo Diocesano