XIX Domingo do Tempo Comum: Fé vigilante

A violência nos abate e desanima, mas a Palavra de Deus nos anima: Não tenhais medo! A fidelidade de Deus no passado é garantia de sua presença hoje.

Sb 18,6-9 fala da experiência de Israel, a presença amorosa Deus que ajuda a superar dificuldades. O êxodo foi noite trágica de luto para os egípcios que perderam os primogênitos não ouvindo a Palavra de Deus em Moisés, mas é noite de alegria para os hebreus, que, pelas promessas divinas, são marcham livres no deserto, onde Deus faz Aliança com eles.

Rever o passado anima a comunidade a não parar, a olhar para frente, a crer no futuro. Só a fidelidade aos caminhos de Deus gera vida e libertação.

Hb 11,1-2.8-19 fala de Abraão, exemplo de fé para a comunidade continuar firme nas lutas. Pela fé, obedece a Deus, deixa a pátria e parte para o desconhecido. Pela fé, acredita ter um filho, apesar da idade avançada. Pela fé, aceita a ordem divina de sacrificar Isaac. Pela fé, caminhou pela vida peregrino, sem desanimar, rumo à pátria definitiva.

Nós também não devemos desanimar. A fé sempre nos abre à vida nova e à esperança.

Em Lc 12,32-48, os Apóstolos estão a caminho de Jerusalém, com medo, poucos e fracos, num mundo hostil. Jesus lhes diz: Não temais, pequeno Rebanho, porque é do agrado do Pai dar a vós o Reino. E os convida a vigiar: Vigiai! O Senhor pode chegar quando menos esperamos.

As 3 parábolas falam de vigilância: os Servos que esperam o Senhor voltar do casamento; o Ladrão que chega de surpresa; o Administrador fiel. E à pergunta de Pedro Quem deve vigiar? Responde: Todos! Em especial os animadores da Comunidade devem ser fiéis. Todos os cristãos devem vigiar, buscar primeiro os valores do Reino, e aguardar a chegada do Senhor.

No dia dos pais, a Palavra lhes é dirigida: Não tenham medo! Vigiai! Fé em Deus! Na missão de educar, Fé nos filhos,mesmo diante das falhas. Vigiar é ser presença certa na hora certa. Ser Pai é gerar a vida, é acompanhar, vigiar e proteger a vida. É dividir com Deus a missão de criar, pois o Pai criador gerou a vida no mundo e quis compartilhar essa tarefa com cada pai.

Deus dá a vocação e capacita. Desafios existem, e maiores são as forças que Deus dá para vencê-los. Não tenham medo!

Aos pais que já partiram desta vida, agradecemos pelo exemplo de amor e doação que deixaram, pela fé que herdaram, pela alegria e esperança que nos comunicaram.

O tema da Semana Nacional da Família ‘A família, como vai?’ propõe uma profunda experiência de Jesus à família, para ajudá-la a vencer seus desafios e dificuldades, e compreender seu papel evangelizador na Igreja e na sociedade.

O Sínodo da Família propôs meios eficazes para acompanhar os casais e famílias afastadas, e manter viva a fé e o compromisso dos que vivem em comunidade.

Os encontros do subsídio ‘Hora da família’ são: Família e iniciação à vida cristã; Família, vocação e juventude; Família e Políticas Públicas; Família, defensora da vida; Matrimônio e Família no plano de Deus.

Há 3 celebrações: Dia das Mães, Dia dos Pais, Celebração e Consagração à Sagrada Família.

As famílias que vivem a fé vigilante têm paz e Alegria. Nessa semana, vamos rezar juntos todos os dias em família; e vamos dialogar sobre o que a ajuda ou a prejudica.

Abençoa, Senhor, as famílias, amém! Abençoa, Senhor, a minha também!

Dom Antonio Emidio Vilar, sdb
Bispo Diocesano