XXVIII Domingo do Tempo Comum: Obrigado, Senhor?

A nossa vida moderna tende a transformar tudo em comércio, onde tudo se compra e se paga. Isso faz perder o valor da gratuidade, o sentido da gratidão. Ouçamos a Palavra de Deus:

Em 2Rs 5,14-17, o Profeta Eliseu cura o leproso Naaman. O general sírio vai ao Profeta para ser curado. Eliseu, sem acolhê-lo, manda-o lavar-se sete vezes no Rio Jordão. O general humilhado quer desistir e voltar para a sua terra. Mas a comitiva insiste! Ele obedece e fica curado. Reconhecido, proclama sua fé no Deus de Israel e, como sinal de gratidão, leva consigo de Israel um pouco de terra, a fim de cultuar na própria terra o Deus verdadeiro.

Em 2Tm 2,8-13, Paulo, consciente de ter sido um leproso, nos sofrimentos e privações da prisão, acha motivos de alegria, esperança e gratidão a Deus, pelos favores recebidos, e afirma: Estou algemado como um prisioneiro, mas a palavra de Deus não pode ser algemada.

Em Lc 17,11-19, a caminho de Jerusalém, Jesus cura dez leprosos. Os leprosos moravam fora do povoado para não contaminarem os outros. E gritam de longe: Jesus mestre, tem compaixão de nós! Jesus se compadece e os manda se apresentarem aos sacerdotes, para comprovarem a cura, e se reintegrarem na Comunidade. Os dez obedecem e, no caminho, são curados. Mas só um volta e agradece: era um samaritano, desprezado pelos judeus. Cristo questiona: Não foram 10 os curados? Onde estão os outros nove? E acrescenta: Levanta-te e vai! Tua Fé te salvou!

O caminho de fé deles nasce da esperança em Jesus que cura, se concretiza a caminho, na obediência à Palavra de Jesus, e se manifesta na gratidão.

O milagre traz detalhes: a lepra é mal que atinge a humanidade, gera exclusão e injustiça; o número 10 é a totalidade: a todos os que se sentem leprosos, Deus dá a vida, e reintegra na família de Deus; Judeus e Samaritanos, povos adversários, são unidos pela desgraça e a dor. A luta pela vida supera as diferenças religiosas, políticas ou raciais, e juntos vão a Jesus: Tem compaixão de nós! A lepra desaparece no caminho, pois a ação de Jesus é progressiva. Quem crê, descobre os valores de Jesus, até aderir a Ele e transformar seu coração.

Só um volta para agradecer, glorificando a Deus em alta voz.Ele reconhece Jesus que o liberta e se dispõe a segui-Lo. Agradece e acredita e, por isso, recebe mais: Vai a tua fé de salvou! A fé dos demais vai até à cura e a sua fé chega à Salvação.

Os de casa não agradecem, o estrangeiro sim! A graça de Deus é mais valorizada por quem não pertence à Comunidade. O que isso significa? Hoje, os leprosos continuam sofrendo na própria pele as conseqüências das feridas da lepra do pecado, fora da comunidade.

A gratidão é virtude que enobrece a pessoa. Desde criança somos educados a agradecer os favores recebidos. A gratidão brota do coração de quem se sente amado por Deus. Jesus avisa quem não sabe agradecer. Não basta gritar na hora do apuro: Senhor, tem piedade de mim! É preciso reconhecer a graça recebida e se comprometer…

Muitas pessoas nos ajudam: pais, professores, catequistas, padres, médicos, colegas de estudo, de trabalho, de esporte, etc. Não basta sentir gratidão, é preciso manifestá-la!

Obrigado é palavra simples, mas esquecida. Ela valoriza o dom recebido e alegra o doador.

Eucaristia quer dizer ação de graças. Nela agradecemos a Deus os favores recebidos e nos dispomos a agradecer também a nossos irmãos.

Dom Antonio Emidio Vilar, sdb
Bispo Diocesano