XXXIII Domingo do Tempo Comum: Levantai a cabeça!

O penúltimo domingo do Ano litúrgico fala do fim dos tempos, meta final, para onde Deus nos conduz. Isso nos dá esperança e coragem para enfrentar as adversidades e lutar pela Vinda, pelo Advento do Reino.

Mal 4,1-2 e o Dia do Senhor: O Povo de Israel volta do exílio com promessas maravilhosas, de reino de paz, bem-estar e justiça. Mas, vê o contrário e cai na desilusão. Malaquias profeta, fala de conforto e esperança. Deus não abandona o seu povo. Ele agirá na história, destruirá o mal e fará triunfar o Bem e a Justiça. Mais que medo sobre o fim do mundo, fala-se de Esperança em Deus para enfrentar os dramas da Vida.

Em 2Ts 3,7-12,a comunidade de Tessalônica era perturbada por fanáticos que pregavam o fim do mundo próximo, e que não valia a pena continuar trabalhando. Paulo testemunha o seu trabalho e acrescenta: Quem não quer trabalhar, também não deve comer. O trabalho é o melhor jeito de preparar a vinda do Senhor.

Em Lc 21,5-19, o Discurso Escatológico mostra três momentos da História da Salvação: a destruição de Jerusalém, o tempo da Missão da Igreja e a Vinda do Filho do Homem.

Quando Lucas escreveu o evangelho, 50 anos após a morte de Cristo, havia fatos terríveis: guerras, revoluções, destruição do Templo, perseguição de cristãos pelos judeus e romanos. Parecia o fim do mundo. Lucas cita o Mestre em duas atitudes: Não se deixar enganar por falsos profetas e não perder a esperança, pois Deus está conosco.

Aos Discípulos, admirados pela grandeza do templo, Jesus diz que isso está superado, anuncia o fim desse modelo e o surgimento de outro: Dias virão em que não ficará pedra sobre pedra. Tudo será destruído. Eles, curiosos, perguntam: Quando acontecerá isso? Qual vai ser o sinal? Jesus, em linguagem apocalíptica, se refere à queda de Jerusalém e ao fim do mundo: Haverá grandes terremotos, fome e peste, aparecerão fenômenos espantosos no céu.

– Jesus alerta sobre falsos profetas: Não se deixem enganar, porque muitos virão em meu nome. Não sigam essa gente! Hoje muitos falam em nome de Jesus e dão respostas fantasiosas. Não é prudente acreditar em tudo o que se diz em nome de Jesus. 

– Jesus exorta à esperança: Não tenham medo! Os sinais de destruição do mundo velho não devem assustar, mas são anúncio de alegria e esperança, de que um mundo novo está surgindo. Quando essas coisas começarem a acontecer, levantem-se, ergam a cabeça, porque a libertação está próxima. (Lc 21, 28) O lugar da salvação passa de Jerusalém para a Igreja. Começa o seu tempo, para que os discípulos testemunhem a Salvação a todos os povos.

As catástrofes continuam: fome, guerras, revoluções, terrorismo, terremotos. Parece o fim! Os discípulos não temam: Há dificuldades, mas eles têm a ajuda e a força de Deus. No Discurso escatológico, Jesus define a missão da Igreja: Dar testemunho da Boa nova e construir o Reino.

Não percamos tempo ouvindo histórias de visionários ou revelações privadas. Nós cremos é no Evangelho! Temos a certeza que apesar de todas as contrariedades, o mundo novo, o Reino de Deus triunfará! Diante das dificuldades, não desanimamos, mas cremos de fato na vitória final do Reino de Cristo!

Cristo nos garante: Coragem, levantai a cabeça, porque se aproxima a libertação!