NOTA DE FALECIMENTO

Faleceu nesta manhã (21), aos 82 anos, o Pe. Agostinho Zacchetti O Cist. na cidade de São José do Rio Pardo.

Pe. Agostinho será velado na Matriz Santuário São Roque de São José do Rio Pardo. Durante o dia haverão momentos de oração, às 12:00 Oração das 12 horas, às 14:00 Oração das 15 horas, às 16:00 Vésperas, e às 17:00 a celebração de exéquias será presidida pelo Cardeal Dom Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano de São Paulo, com a presença de nosso Bispo Dom Antonio Emidio Vilar e Dom Jorge Pierozan, Bispo Auxiliar da Arquidiocese de São Paulo. Logo em seguida será o sepultamento na cripta do mosteiro.

Padre Agostinho foi o primeiro pároco da Paróquia São Roque, onde exerceu seu ministério de 25 de Janeiro de 1968 até 28 de Outubro de 1984. Era fiel colaborador de Dom Tomás Vaquero, nosso 2º bispo diocesano. Na década de 70, foi coordenador diocesano de pastoral, trouxe os Cursos de Boa Nova, Encontro de Casais, CEC e Cursilho. Implantou o Caminho Neocatecumenal na Diocese, e o Movimento dos Focolares, que foi dinamizado pela Serva de Deus Lourdinha Fontão. Dom Orani João Tempesta O.Cist., ordenado em 07.12.1974, foi seu vigário paroquial e sucessor como pároco em 1984.
No período de 1984 a 2016, pode acompanhar de perto o ministério de vários Cardeais, como Dom Paulo Evaristo Arns, Dom Cláudio Hummes e Dom Odilo Pedro Scherer, em São Paulo quando foi escolhido como Pároco na Paróquia Nossa Senhora das Graças, Vila Cachoeirinha. Também foi sub-secretário no Regional Sul 1 da CNBB desde 1991, membro do Secretariado Arquidiocesano de Pastoral em 1992, sendo Vigário Episcopal da Região Santana. Para definir em poucas palavras o último italiano deste nosso mosteiro, podemos dizer que foi um apaixonado pela evangelização, pela Igreja, anunciando querigmaticamente a Jesus Cristo, com zelo na liturgia, simplicidade exemplar, homilias com conteúdo exegético-catequético-litúrgico-pastoral. Fez a experiência do despojamento dos bens, era discreto e autêntico, com amizades abertas em Cristo. Nada podemos desaboná-lo na vida moral e administrativa, pois, desapegando-se de si mesmo, era feliz com o que encontrava. Serviu como monge sacerdote à Ordem Cisterciense e à Igreja.

A Diocese manifesta o sentimento de pesar pelos familiares, amigos, e irmãos cirterciences.