QUINTA-FEIRA SANTA: Missa Crismal, dos Santos Óleos e da Unidade

QUINTA-FEIRA SANTA: MISSA CRISMAL, DOS SANTOS ÓLEOS E DA UNIDADE
MISSA CRISMAL – CATEDRAL 09/04

Foi celebrada hoje (4), na Catedral em São João da Boa Vista de forma reservada, a Missa Crismal com o nosso Bispo Diocesano Dom Antonio Emidio Vilar, e também os padres Claudemir Aparecido Canela, Everaldo Donizetti Ribeiro, Celso Abreu de Jesuz e Ramiro Marinelli Duarte que representaram todo o clero da diocese, que nesta celebração estavam impossibilitados de participarem devido ao isolamento social.

O Vigário Geral da Diocese, Pe. Everaldo acolheu a todos com algumas palavras no início da celebração:

“Aqueles irmãos padres que nos acompanham através da internet, sentissem mesmo neste momento representados, por nós que estaremos aqui fazendo a renovação das promessas sacerdotais, diante do nosso bispo diocesano manifestando nossa unidade e comunhão”,Pe. Everaldo encerrou dizendo que juntos pela proximidade através dos meios de comunicação, que todos pudessem celebrar unidos esta Eucaristia.

Nosso Bispo Diocesano, Dom Vilar em sua homilia acolheu também nossos padres pela renovação das promessas sacerdotais:

“Diante de tão grande Dom que é o sacerdócio, o ministério presbiteral, reafirmo aqui o que São Paulo disse a Timótheo: “Reaviva o Dom que Deus te concedeu pela imposição de minhas mãos”, hoje dou graças a Deus pelo Dom de cada um de vocês queridos padres, de sua vocação e ministério, e louvo a Deus pela fidelidade e perseverança de cada um, em especial pelos irmãos presbíteros que entregaram,e  entregamos nas mãos do Bom Pastor, e que nos deixaram neste ano, Pe. Mário Verzola Netto falecido em 18/01, Pe. Agostinho Zachetti O. Cist. falecido em 21/01, Pe. Jobson Ferreira Belinato A.A falecido em 25/02, e Mons. Décio Ravagnani falecido em 02/04.

Dou graças a Deus também pela fraternidade presbiteral, que eu vejo crescer nos grupos de padres que juntos rezam, partilham e se confraternizam. A comunhão anima a missão, uma andorinha só, não faz verão. De minha parte agradeço Deus e a vocês caros padres, por tantos sinais de comunhão e afeto filial que tenho recebido.

Eu sei que não é fácil para ninguém olhar para o bispo e ver nele um pai, nem reconhecer nele a presença de Cristo, mas junto ao povo de Deus cada padre sabe que ele mesmo é presença de Cristo para os fiéis, e que o bispo é centro de unidade, da animação eclesial, da comunhão e da missão.

Dou graças a Deus também pela cultura vocacional tão forte que existe nesta diocese, plantada pelo Servo de Deus Dom Tomás Vaquero, cujo corpo foi exumado nestes dias, e que em breve estará reposto aqui junto à Catedral. E esta cultura vocacional que ele plantou continua sempre muito bem cultivada entre nós, Deus nos ajude a continuar cultivando-a sempre.

Dou graças a Deus também neste dia pela santidade de vida entre nós, como povo de Deus e como ministros sagrados, como o projeto que a santidade, e como Deus nos propõe, ideal de vida a ser buscado, em especial os que já chegaram lá pelo reconhecimento oficial da Igreja. Lembrei Dom Tomás Vaquero, mas o primeiro da fila é um padre diocesano, o Bem-Aventurado Donizetti.

Essa é a primeira Missa dos Santos Óleos após a sua beatificação, e por que realizada em quarentena, devido a pandemia, isso nos faz sentir como ele se sentiu quando a cidade de Tambaú não pode mais comportar o povo que ali se aglomerava, pelos riscos que ali se comportava. Foi quando o padre Donizetti teve que ficar em casa e abençoar da janela mesmo. A santidade do Pe. Donizetti vem reforçar e renovar a nossa vida presbiteral, o nosso ministério sacerdotal. O seu exemplo nos convida a fixar nossos olhos em Cristo Sacerdote, bom pastor. Hoje, inspirados no Bem-Aventurado Donizetti, é que renovamos os nossos compromissos sacerdotais e podemos refletir sobre vários pontos, e estes pontos eu já passei para os padres na reflexão para eles poderem se divertir um pouquinho também.

Para encerrar então esta reflexão de homilia na missa dos Santos Óleos, quero então dizer que celebrando a Instituição do Sacerdócio, damos graças a Deus pelo Dom recebido, de modo especial pela santidade do Pe. Donizetti, e que esse tempo de graça que estamos vivendo renove em todos os padres o seu coração de pastores, segundo o coração de Jesus, o bom pastor. Que esta festa da unidade, mesmo em quarentena nos motive a celebrar com fé renovada e amor revigorado a vitória da vida, como foi lembrada a Campanha da fraternidade “Vida, Dom e Compromisso”. Mesmo ameaçada em risco nós cremos na vitória da vida, e no amor de Cristo ressuscitado, vencedor da morte, vencedor de todo mal e pecado.

E quero desejar a todos desde já na celebrações do Tríduo Pascal, que a Paz do senhor ressuscitado esteja com todos vocês. Amém”.