ANO A – IVº DOMINGO DE PÁSCOA: Bom Pastor

O Domingo do Bom Pastor nos mostra o modelo de Amor doação de Cristo para quem serve e anima a Comunidade.

Em At 2,4.36-41 e 1Pd 2,20-25, Pedro mostra que entrar pela Porta e escutar a voz do Pastor é pela conversão, o Batismo e o seguimento de Cristo, fazendo o bem, a custas do sofrimento.

O Sl 22 fala do Pastor e o desejo de estar com Ele: O Senhor é meu Pastor, nada me faltará.

Em Jo 10,1-10, Jesus se apresenta como o Bom Pastor. Sua Missão é conduzir os homens às pastagens verdejantes e às fontes cristalinas de onde brota a vida em plenitude.

O texto apresenta duas figuras ou parábolas:

  1. A primeira é o Bom Pastor que cuida das ovelhas, as conhece, chama pelo nome e caminha com elas. Elas o seguem, escutam sua voz, pois Ele lhes dá segurança. Ao contrário, estão os ladrões e os bandidos que se apresentam como Pastor, ou falam em nome de Cristo, mas que procuram vantagens pessoais.
  2. A segunda é Jesus, Porta das ovelhas: Quem entrar por mim será salvo! O dono da casa usa a porta e não deixa entrar os estranhos. Saibam os líderes que ninguém pode reunir as ovelhas se não for chamado por Jesus, se não tiver o seu mandato, se não seguir sua prática. Saibam as ovelhas que Jesus é a única porta por onde entrar e encontrar pastagens que dão vida.

Esta imagem do Pastor, tão familiar no tempo de Jesus, expressa o serviço contínuo e gratuito de Cristo Bom Pastor que dá a vida. Cristo é o Bom Pastor e guia de nossa vida, missão que o Pai lhe deu de cuidar do rebanho. Nenhuma outra voz pode prevalecer, nem da política, da opinião pública, comodismo ou dos privilégios, nem do sucesso a qualquer custo, nem a voz da moda, da televisão e da novela.

O Bom Pastor conhece as ovelhas, as chama pelo nome, de modo pessoal. Quem preside e anima a comunidade deve agir assim, de forma humana e amorosa. As ovelhas devem escutar Sua Voz e segui-Lo, devem aderir a Jesus e seguir Seu Caminho, na entrega total aos projetos de Deus e na doação total aos irmãos. As ovelhas, os fiéis, devem aceitar quem tem a missão de Cristo e da Igreja, apesar dos seus limites e imperfeições, porque, Cristo é nosso único Pastor que devemos escutar e seguir. E quem recebeu de Cristo a missão de pastor, seu jeito de atuar se inspire sempre n’Ele.

Para distinguir a Voz do Pastor, é preciso três coisas: um permanente e íntimo diálogo com Ele, um confronto permanente com sua Palavra e a participação ativa nos Sacramentos, onde recebemos a vida, que o Pastor nos oferece.

No 57º Dia Mundial de Oração pelas Vocações, o Papa agradece aos sacerdotes e os apoia em seu ministério com uma mensagem. O tema é: As palavras da vocação: tribulação, gratidão, coragem e louvor. A tribulação é da travessia do barco, na noite escura. Jesus garante que não estão sozinhos, e convida Pedro a vir ao encontro d’Ele sobre as ondas e salva-o quando o vê afundar; enfim, sobe para o barco e faz cessar o vento. Daí, a gratidão: pois navegar não é uma tarefa só nossa, é resposta ao chamado do Alto. Diante do mar agitado, Jesus caminha sobre as águas, os tranquiliza e diz: Coragem! Sou Eu! Não temais! (Mt 14, 27). Por fim, Ele ordena aos ventos contrários que se calem, e as forças do mal não tem poder sobre nós. Então nossa vida, mesmo no meio das ondas, abre-se ao louvor, como Maria agradece porque o Senhor olhou para a sua pequenez e fez maravilhas. Rezemos pelas vocações!

Dom Antonio Emidio Vilar, sdb
Bispo Diocesano