ANO A – V Domingo da Páscoa: Caminho, Verdade e Vida

A Liturgia Pascal nos mostra Jesus formando sua Comunidade para continuar sua obra. Ele nos faz Comunidade Cristã. É o que a Palavra de hoje nos diz:

At 6,1-7 mostra o 1º Conflito na Comunidade de Jerusalém e como resolveram o problema. Os cristãos de origem grega reclamam que suas viúvas não recebem a atenção que tem as viúvas judaicas. Os Apóstolos propõem escolher sete homens honrados para este serviço, e eles ficariam mais livres para a Oração e a Pregação. Nasce assim o 1º Ministério na Igreja: o Diaconato.

Como se vê, Igreja é uma Comunidade que sempre teve, tem e terá conflitos, mas enfrenta novas e difíceis situações buscando a unidade na diversidade; é uma Comunidade hierárquica que recorre aos apóstolos, reza e invoca o Espírito Santo, busca solução para o problema, partilha responsabilidades, escolhe, e os Apóstolos confirmam, impondo as mãos; é uma Comunidade de Servidores que escolhe sete homens cheios do Espírito Santo para o serviço das mesas. Assim, a Igreja Apostólica, guiada pelo Espírito de Cristo Ressuscitado, desenvolve ministérios para realizar sua tríplice missão: o Serviço da Palavra, do Culto e da Caridade.

1Pd 2,4-9 fala da Igreja como Edifício Espiritual. Cristo é a Pedra angular. Os cristãos são Pedras vivas. O templo de Jerusalém, com pedras materiais, é substituído pelo novo templo, com pedras vivas.

Em Jo 14,1-12, a Igreja é um Povo Peregrino que caminha para Deus, guiado por Cristo, Caminho, Verdade e Vida. Este Discurso da despedida, na última ceia, neste tempo pascal, nos leva até a Ascensão ao Pai. É seu testamento espiritual: Não vos preocupeis! Vou preparar um lugar para vós! Depois voltarei e vos levarei comigo! Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida! Jesus é o Caminho porque é o único Mediador da Salvação; é a Verdade porque é o Revelador do projeto de Deus; é a Vida porque é o Salvador que nos dá a vida de Deus. Por isso, diz: Ninguém pode chegar ao Pai senão por mim!

Esta liturgia fala da Igreja como povo organizado, cujos membros têm tarefas diferentes para o serviço da Caridade, da Palavra e do Culto; é um edifício espiritual em que Cristo é a Pedra fundamental e nós Pedras vivas; é um povo peregrino que caminha para Deus, sob a guia de Cristo, Caminho, Verdade e Vida.

A casa onde Jesus preparou muitas moradas não é o Paraíso ainda. A Casa do Pai é a Igreja, Comunidade dos seguidores de Jesus, onde Cristo é a Pedra angular e nós as Pedras Vivas. Na Igreja há muitos lugares, serviços, funções a serem exercidas. Há muitas moradas nessa casa do Pai, muitos trabalhos preparados por Jesus para os desocupados.

Cristo continua presente na Igreja em cada um de nós, pedras vivas, comunidade organizada, com responsabilidades, com conselho que planeja, revê, anima e dá oportunidade a todos, com Pastorais atuantes, com Ministérios que animam os setores, com Movimentos que vivem sua espiritualidade, mas em comunhão com a Comunidade.

Cristo nos chama como Comunidade de discípulos a segui-Lo como Caminho a percorrer com os irmãos; como Verdade a proclamar ao mundo carente da Luz divina; como Vida a defender e cuidar.

Dom Antonio Emidio Vilar, sdb
Bispo Diocesano