ANO A – VII DOMINGO DE PÁSCOA: Subiu ao céu

A Ascensão celebra o final da missão terrena de Cristo e o início da missão da Igreja.

At 1,1-11 fala da despedida de Jesus em Jerusalém. Jesus pede aos discípulos que esperem a Vinda do Espírito Santo e sejam Suas testemunhas até os confins da terra.

Em Ef 1,17-23, a Ascensão é glorificação de Cristo e anúncio da volta da humanidade para Deus.

Em Mt 28,16-20, o Ressuscitado aparece na Galileia e, ao dizer que todo poder lhe foi dado, confia aos Seus Sua Missão de Ir e fazer discípulos Seus todos os povos. E faz a Promessa: Estarei convosco até o fim dos tempos. A Missão da Igreja é Sua Salvação levar ao mundo, a todas as nações. Como ir e fazer discípulos? Pela iniciação cristã, o Ensino e o Batismo. A Catequese das palavras e gestos de Jesus prepara para o Batismo, Batismo que é a entrada e a pertença do discípulo ao Pai, o Filho e o Espírito Santo.

Cada detalhe tem um sentido: 40 dias é o tempo de aprendizagem para o discípulo assimilar e repetir as lições do mestre; A subida ao céu é a exaltação de Jesus; A nuvem é sinal que esconde e revela a presença de Deus; Os dois homens vestidos de branco são testemunhas que vem de Deus; Os discípulos que olham pro céu lembram a espera da segunda vinda de Cristo. O tempo e o lugar dos fatos são o tempo da graça da manifestação de Deus.

Ressurreição, Ascensão, Pentecostes são aspectos do único Mistério de fé da Páscoa do Senhor: Ressurreição é a Vitória de Cristo sobre a Morte; Ascensão é exaltação do Senhor do céu e da terra, e entrega de sua missão aos apóstolos, à Igreja; Pentecostes, é o dom do Espírito Santo à Igreja que inicia sua Missão de novo Povo de Deus.

A exaltação de Jesus, na Ascensão, lembra a subida de Elias ao céu no carro de fogo.

A Ascensão de Cristo nos abre à esperança de nossa Ascensão, como diz o prefácio: Ele subiu para dar-nos a esperança de que um dia iremos ao seu encontro, onde Ele nos precedeu.

Na Ascensão, Cristo nos envia à missão de fazer discípulos. Não podemos ficar parados a olhar o céu. Cristo nos garante: Estarei convosco todos os dias, até ao fim dos tempos.

A Missão não depende só de nossas forças. Como no cenáculo, em Jerusalém, os apóstolos aguardam o Espírito Santo, reunidos em oração, com Maria, mãe de Jesus, nós invocamos o Espírito Santo. Cristo garante: Sem mim nada podeis fazer. Por isso, a igreja não começa com a Ação, mas com a Oração, com Maria, Mãe de Jesus e da Igreja.

Cristo parte, mas permanece conosco. A Ascensão não é o fim de Sua presença entre nós, mas o começo da nova forma de estar no mundo. Sua presença se dá com sinais em nossa Missão. Deus está presente e nos envia como Seus apóstolos, para que Cristo seja conhecido e amado por toda a humanidade.

Hoje, 54º Dia mundial das Comunicações Sociais, o Papa nos dá a mensagem sobre a narração. O tema é A vida faz-se história. O lema é ‘Para que possas contar e fixar na memória.’ (Ex10,2) Para não nos perdermos, diz, é preciso respirar a verdade das histórias boas, que edifiquem, e não as histórias que destroem; histórias que ajudem a reencontrar as raízes e a força para caminhar juntos. Na confusão das vozes e mensagens que nos rodeiam, precisamos duma narração humana, que nos fale de nós mesmos e da beleza que nos habita; uma narração que saiba olhar o mundo e os fatos com ternura, conte a nossa atuação na vida e revele a riqueza dos fios pelos quais estamos ligados uns aos outros.

Dom Antonio Emidio Vilar, sdb
Bispo Diocesano


Artigos Recentes