XIº DOMINGO DO TEMPO COMUM: A Missão – ANO A

Deus tem um Plano de Salvação para nós. Mas Ele quer a nossa participação para nos salvar. Por isso, Ele escolhe, chama e envia pessoas para a sua Missão de Salvação.

Êxodo 19,2-6 fala da Missão de Israel. Deus escolhe Israel como seu povo com a missão de levar a salvação a todos os povos. No Monte Sinai, Deus propõe a Moisés esta Aliança: Se escutardes a minha voz e fordes fiéis à minha aliança, sereis meu povo escolhido, um reino de sacerdotes, uma nação santa. O Povo aceita a missão e faz a Aliança. O Povo de Israel será sinal de Deus no meio dos povos, será figura da Igreja, o novo Povo de Deus.

Romanos 5,6-11 apresenta a Missão de Jesus enviado pelo Pai, cabeça da Igreja, novo povo eleito. A missão de Jesus foi a de testemunhar o amor de Deus pela humanidade.

Mateus 9,36-10,8 é a Missão dos Doze Apóstolos. Eles ouvem Jesus anunciar o Reino em palavras e obras, são chamados e enviados a continuar sua missão e projeto de Salvação em toda a terra. Jesus guia a missão, definindo o conteúdo do anúncio e atitudes fundamentais do Missionário em três passos, a realidade do povo, o envio dos 12, e as orientações:

1) Jesus vê a triste realidade da multidão cansada e abatida, como ovelhas sem pastor, e diz: A Messe é grande e os operários são poucos. Rogai ao dono da Messe que envie operários. Preocupado com os desafios pastorais, lembra que a iniciativa da Missão é do Pai.

2) Jesus chama e envia os 12: Os critérios da escolha é um mistério difícil de se explicar. O número 12 recorda as 12 tribos de Israel e é símbolo da totalidade. Somos chamados a sermos livres e enviados a libertar. A Missão dá o poder de expulsar demônios e curar doentes, a lutar contra o que destrói a Vida e a felicidade. Deus chama cada um pelo nome e o leva à comunidade, pois a Missão é individual e comunitária.

3) Jesus orienta a Missão: os primeiros destinatários da Missão são os judeus, herdeiros da Aliança: Ide às ovelhas perdidas da casa de Israel; a mensagem é o anúncio missionário de que o Reino de Deus está próximo; os sinais da presença de Deus serão gestos concretos de Libertação: curar os enfermos, ressuscitar os mortos, purificar os leprosos, expulsar os demônios; enfim, ‘De graça recebestes, de graça deveis dar’. A missão exige gratuidade, pois o Evangelho não cobra, nem vende.

Na realidade de hoje há multidões cansadas e abatidas como ovelhas sem pastor. E, como os doze, Deus precisa de nós para continuar a sua obra de Salvação.

Nossa missão é lutar contra o que escraviza. Diante de situações que geram fome, violência, guerra, morte, nossa missão de discípulos de Jesus é contestá-las e denunciar; seja a corrupção ou a exploração que gera miséria e exclusão. Nossa missão é a mesma de Cristo que veio para que todos tenha vida.

Hoje, como discípulos de Cristo, renovemos nossa missão de evangelizar, transmitir alegria, coragem e esperança a quem vive cansado, abatido, frustrado, sendo para eles sinais do amor e da ternura de Deus. À multidão cansada e abatida, sem pastor, digamos que Cristo pode contar conosco. Enfim, o próprio Mestre nos convida a pedir ao dono da Messe que mande muitos operários para a sua vinha.

Dom Antonio Emidio Vilar, sdb
Bispo Diocesano


Artigos Recentes