XVIIº DOMINGO DO TEMPO COMUM: O Tesouro – ANO A

Hoje, a liturgia fala do nosso tesouro, dos valores e fundamentos de nossa vida. 

Em 1 Rs 3,5.7-12, o rei Salomão escolhe o seu tesouro: a Sabedoria. Ao iniciar o reinado, o jovem rei vai a Gabaon, onde estava o Tabernáculo sagrado, feito por Moisés, para oferecer sacrifícios ao Senhor. Em sonho, o Senhor se mostra satisfeito por este gesto e o convida a pedir o que quisesse. O rei não escolheu poder, riqueza ou fama. Ao contrário, pede o essencial: um coração sábio para governar seu povo com justiça e retidão. A escolha agradou a Deus que lhe deu uma sabedoria singular unida a outros três valores não pedidos: riqueza, glória e vida longa. O texto atesta Salomão como escolhido do Senhor e justifica a sua proverbial sabedoria.

Rom 8,28-30 fala do caminho da salvação e que tudo coopera para o bem dos que amam a Deus, são chamados em seu desígnio e os predestina a ser conformes à imagem do seu Filho.

Mt 13,44-52 fala do tesouro de Jesus, o Reino de Deus, com 3 parábolas: tesouro, pérola e rede.

O Reino de Deus é um Tesouro escondido, ou Pérola que se procura. Encontrar o Tesouro ou a Pérola produz duas atitudes: Renúncia e Alegria.

A Renúncia ao que se tem, vale a pena para adquirir tais bens. Jesus anuncia o Reino como tesouro precioso pelo qual se renuncia a tudo e se dispõe a pagar qualquer preço. Quem encontrou Cristo encontrou o tesouro: muda sua vida e renuncia às coisas que passam, a seus gostinhos, e sabe priorizar o que tem valor nesta nova escala de valores: a oração, o serviço à comunidade, as boas leituras…

A Alegria pelo bem encontrado é grande. Quem já fez um bom negócio sabe: sente-se feliz, mesmo tendo de se desfazer de muitos bens. O Reino de Deus é um tesouro pelo qual compensa renunciar a tudo. A Alegria que sentimos por Cristo é o termômetro da vida cristã. Tristeza e desânimo não é cristão. A Exortação Apostólica Alegria do Evangelho, do Papa Francisco, diz: ‘A Alegria do Evangelho enche o coração e a vida inteira daqueles que se encontram com Jesus. Quantos se deixam salvar por Ele são libertados do pecado, da tristeza, do vazio interior, do isolamento. Com Jesus Cristo, renasce sem cessar a alegria.’

Eis o nosso Tesouro! Cristo e seu Reino! Mas, a quem o ignora ou despreza, vem o vazio e a tristeza pelo apego aos bens deste mundo que passa e o deixa frustrado.

A Parábola da Rede vem mostrar como Deus é paciente diante da escolha que fazemos. O Reino de Deus é uma Rede. O pescador lança a rede de arrastão e apanha peixes de todo tipo; puxa a rede à terra, ajunta os peixes, separa os bons e os maus; recolhe os bons e joga fora os maus. Assim age Deus: não tem pressa, sabe esperar até o fim. Tudo depende de nossa escolha; ou ser um membro vivo e atuante na Igreja, ou ser um peixe inútil que é jogado fora.

Jesus conclui o Discurso aos discípulos, dizendo que o verdadeiro discípulo é quem descobre o Tesouro do Reino e se compromete com ele.

Como Salomão, peçamos a Deus a Sabedoria divina para escolher o seu Reino, o verdadeiro Tesouro e nos dê entusiasmo para anunciar a todos a alegria da nossa descoberta.

Dom Antonio Emidio Vilar, sdb
Bispo Diocesano