DOM VILAR NOS AJUDA A REFLETIR SOBRE O MISTÉRIO DA ASSUNÇÃO DE MARIA AO CÉU

Quem é essa Mulher ?
Com esta pergunta, Dom Antonio Emidio Vilar, SDB, iniciou sua reflexão sobre a Assunção de Maria, Solenidade que toda a Igreja celebra nesse final de semana. Também homenageou os religiosos e as religiosas, pelos quais rezamos neste terceiro domingo de agosto, mês vocacional. Vamos acompanhar as palavras de nosso Bispo Diocesano:

“A Festa da Assunção é muito antiga. Nos primórdios do cristianismo, em Jerusalém, fazia-se uma procissão ao túmulo de Maria. A Igreja não comemora a morte de Nossa Senhora, mas sua Dormição e o transporte de seu corpo para o céu. Foi somente em 1950 que o Papa Pio XII declarou o dogma da Assunção. Assim, é dogma revelado por Deus que a Imaculada Virgem Maria, terminado o curso de sua vida terrena, foi elevada em corpo e alma à glória celestial.

No Apocalipse, Maria é imagem da Igreja que, na dor, gera um mundo novo. Com Maria, a Igreja tem a vitória de Cristo sobre o Mal. A Mulher é a Comunidade de Israel, formada pelas doze tribos. Ela também simboliza o Novo Povo de Deus, os doze Apóstolos e todos aqueles que creem em Jesus, o Messias (cf. Ap.11,19;12,1-10). Cristo é o Novo Adão. Quem a Ele pertence vive para sempre, em especial, a Virgem Maria, Nova Eva, Sinal de esperança e testemunha da Ressurreição. Com sua Assunção, ela participa da Ressurreição de seu Filho. São Paulo dá a entender esse privilégio de Maria, a Mãe de Deus, quando escreve à comunidade de Corinto (cf. 1Cor 15,20-27).

No Evangelho de São Lucas (cf. Lc.1,39-56), Maria, Mãe dos crentes, é a cheia do Espírito Santo. Em sua fé e esperança, atesta que todas as gerações a chamarão “Bem-aventurada!” O seu cântico descreve que o plano de Deus se cumpriu n’Ela e na Igreja. A sua Assunção aponta a Mulher-Sinal, a primeira e mais perfeita discípula de Cristo. A Virgem é a Igreja, a cheia de fé, modelo de caridade e de união perfeita com Cristo. Na terra, viveu o ideal de santidade de quem é seguidor de Cristo; assunta ao Céu é sinal escatológico da Igreja, figura e primícias da Igreja na Glória de Deus. Lá do Céu, é consolo e esperança do povo peregrino ainda na terra, a ponte de passagem de Israel para a Igreja, o novo povo de Deus. Maria sinal humano de esperança! Na glória, é a vitória da vida sobre a morte, da esperança sobre a angústia, da comunhão sobre a solidão, das coisas celestes sobre as terrestres.

São Paulo VI disse: “Maria é modelo de vida cristã. Ela sempre foi proposta pela Igreja à imitação dos fiéis não pelo tipo de vida que levou, no ambiente em que viveu, hoje superado, mas sim porque ela aderiu totalmente à vontade de Deus, porque soube acolher a sua Palavra e pô-la em prática, porque a sua ação foi animada pela caridade e pelo espírito de serviço, porque foi a primeira e mais perfeita discípula de Cristo.” Portanto, Maria é Sinal do amor de Deus! Todos precisamos receber amor e dar amor. Assim é na vida espiritual! Cristo é o grande sinal de Amor do Pai, e Maria é o sinal materno do Amor de Deus para seu filho, Jesus Cristo, e também para todos nós, seus filhos. Esta Solenidade revela ainda a plena felicidade que Deus quer nos dar. A Assunção já é nossa vitória com Cristo e com sua Mãe! E a nossa vitória acontece se somos fiéis à Palavra de Deus, se praticamos a humildade, se estamos prontos a servir os irmãos necessitados, a exemplo de Maria.

Celebramos também, neste terceiro domingo do mês vocacional, os que foram chamados à vida religiosa. Quero louvar a Deus por tantos trabalhos que os religiosos e as religiosas realizam em nossa Diocese de São João da Boa Vista. Eles são exemplo de Maria, sinais de Deus nesse mundo por meio de sua consagração a Deus e serviço aos irmãos. Com um estilo de vida próprio, são sinais de esperança! Rezemos para que todos sejam Luz de Cristo no meio do nosso povo!”


Artigos Recentes