SANTA TERESINHA: simplicidade e humildade nas pequenas coisas vividas com

Não há dúvida alguma de que, entre os santos, Teresa de Lisieux ocupa um lugar de destaque. O porquê desta sua grandeza não o devemos procurar na sua cultura ou nas suas ações. Sua vida foi curta: vinte e quatro anos e alguns meses. Nasceu no dia 2 de janeiro de 1873 e morreu em 30 de setembro de 1897. Viveu escondida num mosteiro carmelitano, ignorada pela maior parte dos homens que viviam na pequena cidade de Lisieux, na França. Morreu desconhecida.

Deus é fiel. Ele exalta os humildes. Teresa de Lisieux foi como o papa João Paulo I: viveu em nosso meio o tempo necessário para ensinar-nos a lição de esperança e do sorriso, na simplicidade e humildade das pequenas coisas vividas com amor. Deixou-nos uma mensagem que permanece válida para sempre, porque brotou e se alimentou na fonte genuína e inesgotável do Evangelho.

Teresa do Menino Jesus gritou para o mundo: “Ser santo é fácil, fácil”. Ser santo, ensina-nos ela, é abandonar-nos como criança nas mãos de Deus, que, como uma mãe carinhosa, nos acaricia sobre os joelhos com amor e atenção delicada; é acreditar que o amor nos santifica; é deixar-se amar por Deus, e amar em Deus todos os homens, nossos irmãos.


Frei Anselmo da Silva, OCD