DIRETORA DE ESCOLA DE CARLO ACUTIS: “Ele é um farol” para crianças e jovens

Irmã Miranda é diretora da escola onde estudou o beato Carlo Acutis, que faleceu em 2006 com 15 anos de idade. Ela conta como parte da grandeza de Carlo reside precisamente na sua simplicidade e reserva, que à primeira vista o faziam parecer um menino comum.

Como você conheceu Carlo Accutis?
Em setembro de 1999, fui trabalhar na escola Marcelina, em Assis, como diretora do Primário e também professora. Naquela época, Carlo estava no terceiro ano. A casa dele era muito perto da escola. E a mãe o acompanhava todos os dias.

Assim que me instalei comecei a conhecer os colegas e alunos. No que diz respeito a Carlo, o mais próximo que compartilhei de lembranças foi através de sua professora de religião, Sra. Isa Velati. Por meio dela, eu sabia que ele era filho único e uma criança muito sensível do ponto de vista religioso.‌

Na verdade, os pais dele nunca falaram comigo deste aspecto espiritual de Carlo nem de sua fé. Eles eram pessoas muito discretas e gentis, que eu só via de manhã na entrada da escola. Carlos sempre se comportou bem na escola.

Quais eram as características do menino Carlo Acutis?
Eu diria que era um garoto quieto por natureza, que vivia em um contexto familiar pacífico. Com o tempo (também porque o nome era recorrente na mídia), eu soube que o pai dele, Andrea Acutis, era empresário, e que o nível da família era elevado. Mas nada disso transparecia na família nem no menino.

Hoje vejo muitas vezes crianças mimadas e exigentes, caprichosas com os pais, egoístas com os seus colegas e talvez até arruinadas por um bem-estar excessivo. Esses deveriam olhar para Carlo: era uma criança inserida harmoniosamente‌ na classe, de quem os professores tinham orgulho.

‌Você se lembra‌ de alguma história sobre o beato Carlo Acutis na escola?
Depois de tantos anos lendo sobre Carlo, aprendi coisas que não sabia na escola, onde ele era uma criança comum, que cumpria suas obrigações escolares, tinha boas notas e era feliz.

Ele manifestou seus dons em casa, como disse a sua mãe várias vezes após sua morte. Posso dizer que o maior milagre que vi em Carlo é que ele se parecia com todo mundo, sem me fazer pensar em uma criança mais santa que as outras.

O que Carlo Acutis representa como santo para os jovens e as crianças?‌‌‌‌‌‌‌‌
Meu espírito de religiosa Marcelina tem uma afeição especial por nosso ex-aluno Carlo Acutis. Ele valorizava o companheirismo e a amizade dos colegas, sorria (lembro-me das covinhas constantes em sua face), gostava de ajudar os pobres. E disse “sim” a Jesus com o entusiasmo dos primeiros discípulos, mantendo-se sempre bem vinculado à realidade, que para ele era feita de beleza, amor aos pais, amor à natureza e humilde fidelidade aos grandes dons que Jesus lhe concedeu.

Nesta época de pandemia, em que muitas crianças e jovens, exasperados com a situação da saúde, parecem perigosamente rebeldes contra as regras, Carlo é um farol brilhante. Talvez Carlos possa iluminá-los, fazê-los se perguntar sobre o significado da vida, e a beleza de adorar e servir ao Senhor.


Fonte: www.aleteia.org


Artigos Recentes