ALEGRAI-VOS!

Este é o Domingo da Alegria, pois o Natal se aproxima. E a certeza de que o Senhor já está no meio de nós, nos enche de alegria.

O profeta Isaías mostra Alegria pela boa notícia da salvação que Deus promete. Este Magnificat do Antigo Testamento retrata um povo que crê na renovação, pois está com Deus. Um povo que espera dias melhores e se alegra, mesmo vindo do exílio, recebido com frieza e hostilidade em Jerusalém. O Profeta anuncia a este povo que sofre um jubileu, a boa notícia da paz e da justiça. O povo agradece cheio de louvor, adoração e alegria, pois descobriu o amor de Deus e sua libertação.
Paulo, na primeira carta aos Tessalonicenses, exorta à Alegria: Sede sempre alegres! A verdadeira alegria vem da oração: Rezai sem cessar! Dai graças! E da abertura do coração aos apelos do Espírito. A alegria cristã vem desse coração novo, e não das festas de Réveillon. A alegria cristã não é atitude passageira, mas estado permanente de quem sabe que a vida é um caminho ao encontro do Senhor. A Alegria é sinal da presença de Deus no coração.
No Evangelho de João, o precursor, João Batista, dá o motivo da Alegria: já está no meio de vós Aquele que ainda não conheceis. Primeiro, João Batista é apresentado: enviado por Deus com a missão de dar testemunho da Luz. Essa Luz está no mundo, mas o mundo não a conhece. É preciso querer descobri-La para dilatar o coração: é a presença discreta de Deus em nossa história. João testemunha que não é o Messias, nem Elias, nem o Profeta, é apenas a Voz que clama no deserto, convidando os homens a prepararem o caminho do Senhor. É a Voz que aponta para a única Luz que vale a pena seguir: a Luz de Cristo. Essa Voz nos convida a olhar e ver o que nos afasta do reto caminho do Senhor. É preciso abandonar as trevas e deixar a Luz de Cristo brilhar. É preciso vencer os obstáculos para seguir o caminho de Deus. Essa Voz nos convida a olhar para Jesus, pois só Ele é a Luz que ilumina o caminho.
Deus iniciou a criação com a Luz que dissipa as trevas. Dela surgiu tudo o que existe. Ela é a vida dos homens. Jesus é a Luz que ilumina nossas ações. Celebrar o nascimento de Jesus não é celebrar um fato do passado. É atual! É Luz que ilumina minha vida e a enche de paz e alegria. A Missão de João Batista é nossa missão: é abrir caminhos para a chegada do Messias, a Luz das nações; é ser voz que clama no deserto e anuncia Cristo presente no meio de nós. A voz de João é anônima, passa despercebida. Ele passa a mensagem e desaparece. Nossa voz deve clamar nos desertos de hoje: na família, na escola, no trabalho, na cidade…
A vinda de Cristo encontra duas reações: a acolhida humilde ou a rejeição orgulhosa.
  • A humildade de João: ele não usa a missão para promoção pessoal; sua voz discreta recorda, na sombra, realidades importantes. Somos chamados a ser discretos e simples para que as pessoas não vejam a nós, mas a mensagem que apresentamos.
  • A orgulho dos fariseus: auto-suficientes, não recebem a Luz. Fechar-se à novidade e desafios que Deus nos faz é não o receber. Cristo continua procurando onde nascer. A alegria que os anjos anunciaram, nós a sentimos se nos deixamos iluminar pela Luz de Cristo.

Dom Antonio Emidio Vilar, SDB


Artigos Recentes