1°. DOMINGO DA QUARESMA: No Deserto

O grande retiro espiritual da Quaresma prepara a festa da Páscoa, coração da fé cristã e do ano litúrgico. Este tempo favorável da graça e da salvação nos convida a práticas intensas de oração, jejum e caridade.

 

Na Igreja Primitiva, a Quaresma preparava o Batismo. Lemos em Gn 9,8-15 o sobre o Dilúvio, primeiro Batismo da história da salvação. Deus salvou Noé e sua família e fez a primeira Aliança com a humanidade para uma nova criação. No dilúvio, Deus purificou a humanidade corrompida, a fez renascer das águas e lhe deu o arco-íris, que abraça e une céu e terra, como sinal de sua Aliança com a humanidade.

(São Pedro 1Pd 3,18-22) atesta que as águas do Dilúvio são imagem das águas purificadoras do Batismo, que marcam a catequese Batismal de Pedro e da Igreja primitiva.

O evangelista Marcos (Mc 1,12-15) resume o ministério de Jesus que proclama a graça do reino e chama à conversão. Jesus é tentado no deserto, lugar privilegiado do encontro com Deus, onde o Povo sentiu o amor e o cuidado de Deus. No deserto, Deus propôs Aliança a Israel que tentou Deus dizendo: Porque saímos do Egito? Não seria melhor permanecer no Egito ao redor das panelas de carne e cebolas? Para Israel, o deserto é lugar de prova e tentação de abandonar Deus e seguir outros caminhos. Para Jesus, o deserto é lugar de encontro com Deus e adesão aos seus caminhos.

Quarenta dias marca o tempo do caminho do povo no deserto e a experiência de Moisés e de Elias.

Satanás representa quem se opõe à realização do Reino de Deus. As tentações são provações que Jesus enfrentou para ser fiel à missão confiada por Deus. A vida de Jesus é uma luta constante até a vitória da Cruz e Ressurreição. Sua opção gera um mundo de paz. Jesus é o novo Adão que vence o tentador e inaugura a Aliança definitiva, maior que a de Noé. Batizado e superadas as tentações, Jesus começa sua missão e anuncia: O Reino já chegou! Convertei-vos e crede no evangelho! Estas palavras da quarta-feira de cinzas resumem a Quaresma. O dilúvio arranca o pecado e leva a construir a Arca de Salvação. A Arca é sinal de que Deus está em Paz conosco. Quaresma é deserto, despojamento, conversão, mais que pura penitência ou privação. Quaresma é pôr Deus em primeiro lugar, é aderir à pessoa de Cristo, pois crer, mais que aceitar ideias, é escutar a sua proposta, acolhê-la no coração e deixar-se guiar por ela.

A Liturgia nos fala da fidelidade de Deus e da necessidade de morrer ao homem velho para ressuscitar com Cristo à vida nova recebida no Batismo, para caminhar até à Páscoa.

Gesto concreto para a nossa Quaresma são momentos de Oração e Deserto, Penitência quaresmal, atos de Caridade, em especial, a Campanha da Fraternidade que em 2021 é ecumênica com o Tema Fraternidade e Diálogo: compromisso de amor, e o lema, Cristo é a nossa paz: do que era dividido, fez uma unidade. (Ef 2,14a) O diálogo testemunha a nossa fé, em Cristo, nossa Paz, e caminho de unidade na diversidade. A fraternidade e o diálogo são compromissos de amor, pois Cristo fez uma unidade daquilo que era dividido.

Dom Antonio Emidio Vilar, SDB
 


Artigos Recentes