NOVO ASSISTENTE ECLESIÁSTICO PARA AS LEIGAS CONSAGRADAS DA DIOCESE

Desde os tempos apostólicos, a Igreja tem encontrado uma manifestação do seu mistério na vida daquelas mulheres que correspondendo ao carisma evangélico suscitado nelas pelo Espírito Santo, com amor esponsal, se dedicam ao Senhor Jesus na virgindade, para experimentar a fecundidade espiritual da íntima relação com Ele e oferecer os frutos à Igreja e ao mundo” (Esi, n.1)

São João da Boa Vista, 08 de junho de 2021
As mulheres que se consagram pelo rito da Ordem das Virgens (celibatárias ou viúvas) emitem o santo propósito de seguir mais de perto a Cristo, desposam-se misticamente com Cristo, Filho de Deus, e dedicam-se ao serviço da Igreja, conforme consta no Código de Direito Canônico (cân. 604), no qual também se postula que “as virgens podem associar-se para observar mais fielmente o seu propósito e, com auxílio mútuo, realizar o serviço da Igreja, consentâneo com o seu próprio estado”.

Vale realçar que, com este rito, as leigas consagradas (celibatárias ou viúvas) não se tornam religiosas. O principal diferencial entre as duas formas de consagração é que essas mulheres se consagram e realizam votos de castidade perpétua, mas não se vinculam a nenhuma congregação religiosa, e sim a uma Igreja particular. Elas “permanecem em seu ambiente de vida comum, enraizadas na comunidade diocesana”, como explicado na instrução Ecclesiae sponsae imago (n.19-20).

Em nossa Diocese há muitos anos temos tido generosas mulheres celibatárias e viúvas que tem doado sua vida a nossa Igreja particular por meio da consagração, é nosso dever como pastor deste rebanho prover a assistência eclesiástica e espiritual dessas nossas irmãs. Por muitos anos essa missão foi exercida pelo Pe. Celso Abreu de Jesuz, a quem agradecemos muito pelo zelo com que a desempenhou.

Depois de um discernimento de nossa parte havemos por bem prover um novo assistente eclesiástico para as Leigas Consagradas de nossa Diocese:

REVMO. PE. ANTÔNIO CARLOS FERREIRA DE SOUZA

 

A missão do assistente eclesiástico é:
  1. Animar a vida espiritual das Leigas Consagradas por meio da escuta e da promoção de encontros e retiros espirituais.
  2. Estimular a vocação das leigas consagradas (celibatárias e viúvas), priorizando a espiritualidade, vida de oração, conhecimento bíblico, crescimento no amor à Igreja, estudo da Liturgia e a participação nos eventos da própria comunidade e da diocese.
  3. Ser o elo de comunhão entre as leigas consagradas e destas com o projeto Diocesano para a pastoral e para a formação.
  4. Acolher e acompanhar as mulheres que querem fazer um discernimento para serem consagradas em nossa Igreja Diocesana.
Ainda de acordo com documento Ecclesiae sponsae imago (n. 50 e 51) é missão do assistente por nós nomeado em comunhão conosco:
  1. Admitir ao Ordo virginum diocesano, consagradas provenientes de outras dioceses
  2. A dispensa das obrigações da consagração
  3. A demissão do Ordo virginum
  4. A definição das diretrizes para a formação permanente
  5. A aprovação das modalidades do serviço de comunhão diocesana
  6. A instituição de fundos de apoio e de gestão canônica do Ordo virginum
  7. Oreconhecimentoeaprovaçãodiocesanadeassociaçõesdevirgensbemcomo

autorização para pedir o reconhecimento civil
(h. – i. – j.)

Exortamos que em nossa Diocese seja seguido o mais vivamente possível em comunhão com a Sé de Pedro todas a orientações emanadas no Eclesiae sponsae imago.

Suplicamos ao Espírito Santo que derrame a abundância de seus dons ao Pe. Antônio e sobre todas as leigas consagradas de nossa diocese.

Anotar junto a chancelaria da Cúria Diocesana toda a documentação referente ao Ordo virginum Registrar as mortes das consagradas, as inscrições das novas e a recepções no Ordo virginum das consagradas oriundas de outras dioceses Guardar a documentação relativa aos itinerários formativos de cada aspirante e candidata a consagração.

Em Cristo,
Dom Antonio Emídio Vilar, SDB


Artigos Recentes