DIOCESE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA- SP 3º PROTOCOLO SOBRE O RETORNO DAS CELEBRAÇÕES PÚBLICAS E ATIVIDADES PASTORAIS COM RESTRIÇÕES SANITÁRIAS

A SAGRADA COMUNHÃO AOS ENFERMOS

Este protocolo tem por objetivo orientar os párocos sobre a distribuição da Sagrada Comunhão aos enfermos na Diocese de São João da Boa Vista. Essas medidas seguem as normas sanitárias para a prevenção da covid-19.

Caso acontecer algo em nossa região que seja agravante em relação a pandemia, essas orientações aqui contidas ficam em “suspenso”. Para se chegar a tal resolução é muito importante que cada caso seja dialogado com a Coordenação Diocesana de Pastoral e consequentemente este em comum acordo com o Bispo Diocesano.

A Igreja ensina que convém mesmo àqueles que se acharem impedidos de participar da celebração eucarística da comunidade serem cuidadosamente fortificados pela Eucaristia, de maneira que não só se sintam unidos ao sacrifício do Senhor, mas também unidos à mesma comunidade e apoiados pela caridade dos irmãos. (A Sagrada Comunhão e o culto eucarístico fora da missa, n. 14).

Sabendo dessa necessidade de atender os fiéis enfermos e sabendo também da pandemia que estamos enfrentando, é muito importante que esse processo seja feito com cuidadoso discernimento. Para tal damos as seguintes orientações:
  1. Cabe a cada pároco conhecendo a realidade da sua comunidade paroquial julgar se é ou não o momento para esta assistência pastoral da comunhão aos enfermos;

  2. Cabe deixar ao julgamento da família do enfermo e do ministro extraordinário da Sagrada Comunhão se sentem-se à vontade para receber ou levar a eucaristia;

  3. Está autorizado a celebração uma única vez ao mês, de acordo com o dia programado e organizado com o pároco;

  4. Cada ministro leve a comunhão somente numa única residência no dia, não é bom que se visite várias casas na sequência;

  5. Que o ministro da Sagrada Comunhão vá sem acompanhantes na casa do enfermo.

  6. Os ministros sigam o roteiro de celebração proposto em anexo a este protocolo, não ultrapassando 10 minutos de celebração;

  7. A purificação da teca seja feita posteriormente na casa do ministro da comunhão e não na casa do enfermo;

  8. Os ministros usam máscara o tempo todo, utilizam álcool em gel ao entrar na residência, antes de tocar na eucaristia e depois distribuí-la.

  9. Não está autorizado ao ministro permanecer na casa para café ou outro tipo de refeição, pois isso suporia retirar a máscara, o que seria muito arriscado para o enfermo e para o ministro;

  10. É importante lembrar ao ministro que no momento em que ele está levando a Sagrada Comunhão, ele o faz em nome da Igreja, o não comprometimento com o protocolo sanitário depõe contra a própria Igreja, por isso pedimos que seja seguido com rigor;

  11. Esse protocolo não contempla e não autoriza a comunhão dos enfermos nos hospitais e casas de repouso, se essa se fizer necessária que seja administrada por um ministro ordenado (diácono ou padre) ;

  12. Nas paróquias em que existe o costume da visita prévia da pastoral da saúde, orientamos que essa em virtude da pandemia seja apenas por telefonema ou mensagem de texto, bem como para evitar aglomeração na casa do enfermo que o agente da Pastoral da Saúde não acompanhe o ministro da sagrada comunhão;

“O dom de Cristo e do seu Espírito, que recebemos na comunhão eucarística, realiza plena e sobre abundantemente os anseios de unidade fraterna que vivem no coração humano e ao mesmo tempo eleva esta experiência de fraternidade, que é a participação comum na mesma mesa eucarística, a níveis que estão muito acima da mera experiência dum banquete humano. Pela comunhão do corpo de Cristo, a Igreja consegue cada vez mais profundamente ser, em Cristo, como que o sacramento, ou sinal, e o instrumento da íntima união com Deus e da unidade de todo o género humano” (João Paulo II, EE, 24).

Este protocolo entra em vigor a partir do dia 25 de julho de 2021.

Rogamos a intercessão da Bem-aventurada Virgem Maria, de São João Batista e do Bem-aventurado Donizetti, para que muitas bênçãos sejam derramadas sobre nossa Diocese.

Dado e passado na Cúria Diocesana, São João da Boa Vista, 23 de junho de 2021.

 

Dom Antonio Emídio Vilar, SDB
Bispo Diocesano

Pe. Ramiro Marinelli Duarte
Vigário Episcopal e responsável do Protocolo de retorno das celebrações


Artigos Recentes