As tentações de Cristo. 1º domingo da Quaresma “C”

O trecho do Evangelho neste primeiro domingo de Quaresma nos apresenta Jesus em sua humanidade e tentado pelo diabo numa clara situação de vulnerabilidade. “Ele sentiu fome”! O diabo não tentou Jesus enquanto rezava, ou enquanto jejuava, mas quando “sentiu fome”.

         As tentações de Cristo se referem a todas as tentações que sofremos durante a vida; são aquelas “encruzilhadas” na quais devemos enfrentar as dificuldades e nos decidir pelo Reino de Deus. Orígenes afirma que “sem essas batalhas – as tentações- não se chega a Cristo.

         As tentações nos atingem em cheio. “Estás com fome”? qual o problema de mandar essas pedras se transformar em pão? Por que sofrer? Para que passar privações? Compra o que quiser, faça o que você tem vontade… Como se a vida fosse só prazer. Prazer pelo prazer transforma a vida em uma escravidão tediosa. “Não só de pão o homem vive”, responde Jesus! É perversa a ação do tentador que usa da sagrada Escritura para tentar o “Filho de Deus” e os seus irmãos!

 de Deus não é isso que o tentador propõe, não é essa busca desenfreada de poder a qualquer custo, poder político ou não, poder pelo poder que geram guerra, discórdia e divisões. Os adoradores de Deus fazem do poder um serviço! Por isso a resposta de Jesus:- “somente a Deus adorarás”!

         Além de poder, muitos se vendem à tentação da fama, de ser destaque na mídia! “Pule daqui; os anjos de Deus virão te segurar”! Há pessoas que fazem de tudo para estar nas manchetes, adoram aparecer, para ter o nome mais lembrado. Muita fama, pouca humildade. “Não tentarás ao Senhor teu Deus”!

         Quem não sofre sem perguntar a razão do sofrer? Entretanto, para vencer o mal não nos podemos aliar ao malvado; para saciar a fome, precisamos sentir a “fome de justiça”, fome de Deus!  Não é suficiente “encher” o estômago e deixar vazio o coração.

         Uma perspectiva interessante se abre a partir das tentações que sofremos. Nossas aspirações podem ser satisfeitas, porém chegamos à felicidade de filhos de Deus se não nos vendermos ao tentador!

          Somos livres em nossas decisões, livres para decidir o que fazer ou qual caminho tomar. Jesus se manteve fiel ao seu Pai e nosso Pai. Evitou o caminho da perversidade ou das facilidades. Também não caiu no conto dos que usam a escritura para ludibriar as pessoas, afinal a Escritura não serve para justificar malfeitos nem para julgar os outros.

         “Não tentarás ao Senhor teu Deus”! Jamais coloquemos Deus a prova. Seu amor é infinito! Em Jesus tentado, somos nós tentados em nossa liberdade e em nossa humanidade. Podemos vencer o tentador ou nos tornar escravos de suas chantagens.

         “Jesus foi tentado pelo diabo para que a Igreja aprendesse que se chega a Cristo através de muitas tribulações e tentações”! (Orígenes)

Mons. João Paulo Ferreira Ielo


Artigos Recentes